Tag

marketing para conservação

Diferentes tipos de comunicação científica nas redes sociais

By | GreenBond, Marketing na Conservação, Notícias | No Comments

Já falamos algumas vezes por aqui da importância da divulgação científica e de como isso tem ganhado uma força cada vez maior.

Hoje em dia, não precisamos nem mais dar um google para encontrar informações de qualidade. Nas próprias redes sociais tem uma galera boa se encarregando de fazer as pesquisas pra gente e resumir tudo tim tim por tim tim. E o melhor de tudo. Com uma linguagem simples, direta e principalmente acessível a todos. Mas será que todos os comunicadores científicos utilizam as mesmas técnicas de comunicação para atingir o seu público alvo? Não mesmo…. Cada um aposta em uma ferramenta própria, desenvolve o seu jeitão e a sua linha de pensamentos…. E nós? Cabe a nós escolher quais os perfis que mais nos agradam ou então seguir todos, quanto mais melhor, não é mesmo?

Hoje vamos mostrar alguns perfis que têm feito o dever de casa direitinho e trazido o verdadeiro conteúdo científico de qualidade a todos nós. 

 

Hugo Fernandes @hugofernandesbio

O biólogo que tudo sabe.

Brincadeiras a parte mas eu mesma já me perguntei várias vezes como diabos o Hugo pode estar por dentro de todos os assuntos. É polêmico, gera dúvidas, está na mídia e envolve o meio ambiente, o Hugo está comentando. 

O Hugo aposta muito nos cards e nos vídeos para passar a informação de uma maneira séria e o mais simples e direta possível. Com essa maneira de se comunicar, o biólogo conseguiu vencer a bolha acadêmica e chegar nos grupos de whatsapp de família. Devemos eterno agradecimento a ele.

E respondendo a minha própria pergunta, como é possível ele saber de tanto assunto? O cara estuda muito. Acredito que devem ser muitas noites mal dormidas em cima das notícias e artigos fresquinhos, porque não basta estar na moda, o Hugo sabe o que fala e tem fontes seguras para isso.

 

 

Atila Iamarino @oatila

Foco, força e fé

O Átila é um biólogo, microbiologista e doutor em virologia. Porque eu estou contando a formação do cara? Porque é justamente esse o seu forte e o foco que ele escolheu para a sua comunicação. 

Seu discurso nas redes sociais gira basicamente em torno desses assuntos, e no momento, o grande protagonista é o COVID 19. O Átila com certeza se tornou uma sumidade quando se trata de coronavírus. Sabem porque? Porque ele foi capaz de trazer um assunto tão sério e complexo à luz dos leigos. Sua linguagem embora muito embasada é bastante didática e acessível. O Átila foca no assunto, deposita toda a sua força na criação de conteúdos e acredita no seu potencial de disseminação da verdade.

 

 

Bioeducação digital

A geração tiktok

As meninas da Bioeducação digital acertaram uma veia boa para a comunicação científica. Seguir as tendências da moda digital. É viral, elas estão fazendo.  

Sempre linkando a modinha do momento com assuntos importantes, muito bem embasados, elas têm conseguido alcançar cada vez mais gente e principalmente, tem reafirmado o que já estamos carecas de saber: temos que mudar nossa linguagem, temos que arriscar, temos que mergulhar em águas desconhecidas para tornar a ciência conhecida.

 

 

Biólogo Carlo Stenio @steniosux

A síndrome de Peter Pan

Parece que estou sendo rude falando assim né? Mas não é. Quem dera se todos nós conseguíssemos manter sempre vivas as nossas crianças interiores. E foi exatamente isso que o Carlo conseguiu. Utilizando um elemento que todo mundo gosta, os desenhos animados, o biólogo exemplifica várias situações envolvendo o meio ambiente de uma maneira muito lúdica. Os posts são deliciosos de acompanhar e não há quem não queira saber um pouco mais sobre os temas que ele levanta e sobre os personagens da vez.

 

 

Tunes ambiental @tunesambiental

Beleza põe mesa sim

Conhecem o provérbio popular ¨beleza não põe mesa¨? O Tunes ambiental chegou pra provar que não é bem por aí. Beleza pode por mesma sim. 

Os irmãos Pedro e Ana Luiza têm apostado em fotos e vídeos bonitos da vida selvagem associados à virais da internet. Detalhe, as informações eles deixam pra colocar somente na legenda. Resultado da brincadeira? Vários compartilhamentos de seus conteúdos e um crescimento super rápido de suas redes.

 

 

Viu que cada um utiliza uma linguagem e tem funcionado muito bem? As redes sociais são igual coração de mãe. Tem lugar pra todo mundo.

 

Hoje eu escolhi alguns perfis que gosto muito, mas claro que existem inúmeros outros incríveis que tem contribuído para espalhar informações como, @binerighetti, @gufigueiroa, @maysasantoro, @waita.ong, @sifuentes.dani, @thiagobiotrips… Ixee podemos ficar aqui até amanhã… 

Vamos simplificar o trabalho? Marquem aqui nos comentários um perfil que você curta muito e que vc considera foda na divulgação científica. Vamos ver quais preciosidades da comunicação a gente acaba descobrindo?

 

Texto por Fernanda Sá

E-mail marketing. O que é e qual a importância dessa ferramenta no mundo atual.

By | Marketing na Conservação | No Comments

Convenhamos… Por mais que as redes sociais venham crescendo de maneira assombrosa, ninguém nunca deixou de usar o bom e velho e-mail.

Sem dúvidas o e-mail é a ferramenta de comunicação com maior número de usuários. 

Sabemos que existem hoje outras maneiras de conversar diretamente com o seu público, mas o e-mail continua sendo a mais simples delas.

Ainda não está convencido de que sua instituição precisa começar a usar o e-mail marketing? 

Vou te dar alguns bons motivos.

 

Resultado de imagem para a importância do e-mail marketing

Imagem Internet

 

Antes de mais nada, o que é e-mail marketing?

O e-mail marketing é a utilização do e-mail como ferramenta de marketing direto e individual. A partir do uso de ferramentas específicas, algumas delas até gratuitas, do estudo das métricas e da automação é possível criar uma comunicação única para cada usuário. Desse modo, através de análises baseadas na interação individual, é possível que cada pessoa receba um conteúdo relevante para ele. 

 

Pontos positivos do uso dessa estratégia

 

  • Todo mundo tem um e-mail

 

Dados estatísticos apontam que mais de 90% dos adultos que utilizam a internet possuem e-mail e 60% dessas pessoas verificam o e-mail pelo menos uma vez ao dia.

 

  • Alto nível de engajamento

 

Ao ser utilizado de maneira correta, o e-mail marketing chega a ser 40 vezes mais efetivo do que o marketing em redes sociais. 

  • Altas taxas de conversão

O e-mail marketing apresenta maiores taxas de conversão do que as redes sociais. Em termos de venda, a taxa chega a ser de até 70%. 

 

  • Criação de vínculo e fidelização 

 

Através do e-mail que você vai criar um laço com o usuário, fazendo com que ele se lembre de você constantemente, saiba as novidades em termos de serviços e conteúdo que você está oferecendo no site e nas redes sociais. 

 

  • Segmentação

 

Através da análise de informações diversas, como interesse, localidade, produto ou serviço consumido, dentre outras, é possível gerar diferentes tipos de conteúdos e direcioná-los a grupos específicos. Quanto mais segmentada for essa base, melhor a sua comunicação com o público. 

 

  • Personalização

 

Todo mundo gosta de atenção, não é mesmo? Faz total diferença ser chamado pelo nome no e-mail e quando o remetente sabe quais produtos você comprou. Isso te torna especial!

Com o Email Marketing é possível utilizar variáveis ao longo do seu corpo de texto tornando seu email personalizado com base no banco de dados dos usuários. 

  • Automação

 

Através de ferramentas é possível criar automações baseada em ações, como ter baixado determinado material ou ter respondido algo importante, abrir a mensagem ou clicar em algum link específico.

Combinando essas informações à personalização dos emails e segmentações do público, a automação vai contribuir grandemente para o aumento do engajamento do seu público.

 

  • Análise de Métricas

 

Uma das maiores dificuldades quando enviamos e-mail manualmente é analisar os resultados. Quantos e-mails foram enviados, quantos foram abertos, quantos cliques em um link.

Ao utilizar uma plataforma própria, você terá acesso a essas métricas e isso te possibilitará ter uma melhor leitura do seu público e melhorar as suas ações. 

 

Resultado de imagem para e-mail marketing

Imagem da Internet

 

Tenho certeza de que você já está convencido de que essa, sem dúvidas, é uma ferramenta incrível.

Então não perca mais tempo e corra já atrás desse recurso pro seu projeto.

Fiquem ligados aqui no nosso blog que em breve postaremos mais dicas.

Importância do design para projetos de conservação

By | GreenBond, Marketing na Conservação | No Comments

Quando falamos em projetos de conservação, o que te vem em mente?

Posso chutar alguns de seus pensamentos sem medo de errar. Biólogos e veterinários com suas roupas e apetrechos peculiares no meio da mata, manejo de animais silvestres, perrengues em campo, dias e dias escrevendo projetos e relatórios… Acertei, não foi?

Arrisco ainda dizer um pensamento que não passou nem de longe por suas cabeças, querem ver? A comunicação desses projetos. 

 

A verdade nua e crua

Meus caros, o mundo mudou, as mídias chegaram atropelando tudo e quem não é visto, não é mais lembrado. Fazer uma boa comunicação de seus projetos agora é tão importante quanto publicar seus resultados em revistas internacionais. 

E como fazer uma boa comunicação, que atinja mais gente, principalmente as que estão fora da nossa bolha? Através do marketing. Sim, a boa e velha propaganda. 

 

Dos cientistas para o mundo

Temos que aprender a divulgar pro mundo os nossos trabalhos e sabe qual a melhor parte? Nunca foi tão fácil fazer isso. 

As mídias estão aí, abertas e acessíveis, as ferramentas estão disponíveis e a criatividade… Ops? Travou na criatividade? Não tem problema, afinal não temos mesmo que ser bons em tudo. Tem gente especializada nisso.

Por que não encarar de uma vez por todas que a conservação é multidisciplinar e chamar figurinhas de outras áreas para fazer parte do time? 

Pode chegar galera do marketing e do design. Precisamos de vocês para somar a nossa equipe do bem? Afinal, não basta só fazer, tem que fazer bem feito!

Com cada vez mais pessoas seguindo os nossos passos e acompanhando nosso dia a dia, os projetos, assim como as empresas, estão sendo obrigados a criar um design próprio, que tenha a sua cara, a sua identidade, que converse bem com o seu público e que, acima de tudo, seja lembrado e reconhecido. 

Mesmo que estejamos todos do mesmo lado, o mundo é competitivo, e para conseguir alcançar maiores resultados e recursos, não basta mais apenas sermos bons profissionais, temos que ser bons e ¨lindos¨.

 

Why Should We Save The Giant Panda- WWF Hot Air Balloon | Panda Things

Ações da WWF usando e abusando de seu design simples e já bem consolidado. Imagem internet

 

Qual o papel do design para projetos de conservação?

Uai, já falei alí em cima, fazer o projeto ficar lindo. 

Brincadeiras à parte, o papel do design nos projetos de conservação não é simples. Ele tem a árdua, mas gratificante missão de, agregar valor e qualidade ao projeto, conectar as pessoas à causa, fazer com que elas se sintam acolhidas e partes daquela ideologia e principalmente, tornar a imagem visual do projeto agradável e facilmente reconhecida.   

 

A criação da identidade visual do projeto

Essa é uma etapa importante pois essa será a cara do projeto. 

Primeiro, temos que ter muito claro qual é a essência do trabalho. Qual público alvo desejamos atingir, com quem queremos conversar, qual imagem desejamos difundir…. 

Com essas informações em mãos vem a parte divertida. Pensar na paleta de cores, nos tipos de letras, formas e símbolos que irão acompanhar as suas artes.

É muito importante uma padronização de todos os materiais produzidos. Isso não quer dizer que serão iguais, quer dizer que o ideal é que sigam uma linha criativa única. 

Isso vai garantir uma melhor assimilação entre as produzidas por vocês e o projeto.  Depois de um tempo, é tiro e queda. Bateu o olho em algum material e já sabe de qual projeto ou instituição se trata.

 

Identidade visual: você já parou para pensar nela? - Blog de Performance  Digital e UX | Agência 242

Imagem internet

 

Achou complicado? Não se preocupem, tem empresas, como a Greenbond, que são especializadas nisso e que podem ajudar nessa parte. 

Sei que não é tão simples, mas com as pessoas certas, o design do seu projeto vai ficar maravilhoso e funcional.

 

 

Quer mais dicas de como tornar o seu projeto parte dessa geração visual e cada vez mais digital? Deixa um comentário pra gente ou nos procure nas nossas redes sociais @greenbondconservation

. Vai ser um prazer ajudar vocês. 

 

 

A importância da autossuficiência no terceiro setor: o e-commerce como fonte de renda

By | e-commerce, Marketing na Conservação | No Comments

Certamente você já ouviu várias vezes a afirmação de que as instituições do terceiro setor não tem fins lucrativos, certo? Também já deve ter se questionado se é correto, ou se é legal, incluir a venda de produtos nas suas atividades. Se não podemos ter lucro, não podemos ter vendas, não é mesmo?

Errado! Essa é uma dúvida que rodeia muita gente e vamos explicar o porquê a venda de produtos pode ser uma boa opção para a sua instituição!

De fato as ONGs não podem ter lucro. Isso significa que todo dinheiro que entra na instituição deverá ser utilizado para a manutenção e atividades das mesmas. Ou seja, no balanço final, tudo que entra, sai e o saldo final ficará zerado. 

Em muitas instituições a maior parte do recurso necessário para pagar contas, executar atividade, contratar funcionários, dentre outros gastos é proveniente de doações e eventos solidários, mas existe um lado negativo nessa história. 

Com toda a renda sendo proveniente de terceiros, a ONG não possui a tão falada auto sustentabilidade, ficando totalmente dependente dos parceiros e doadores. Caso ocorra alguma mudança inesperada nessa arrecadação, poderá ter suas atividades comprometidas e até mesmo paralisadas, pois sabemos que as contas não esperam.

Uma outra forma bastante comum de arrecadação, principalmente para projetos de conservação é através da aprovação de projetos em editais. Além de ser uma forma bastante trabalhosa e dos editais serem bastante concorridos, todo o recurso deve ser destinado a rubricas específicas do projeto submetido, não podendo ser utilizado para a instituição em si.

Uma ótima maneira de contornar essas arrecadações e que tem sido cada vez mais implementada pelas ONGs são os projetos de geração de renda. Esses projetos são focados na geração de receita para a instituição, principalmente através da venda de produtos ou serviços. 

As entidades sem fins lucrativos podem utilizar o comércio como forma de arrecadação de recursos para aplicação nos objetivos sociais de seu estatuto e esta prática é completamente legal.

Produção de camisetas do Projeto Tamar Fonte: Projeto Tamar

 

Vantagens de possuir sua própria fonte de renda

A geração de receita através da venda de produtos apresenta um grande auxílio à sustentação financeira da organização, provendo uma receita desvinculada  de projetos, as quais podem ser aplicados livremente, tanto no operacional como em investimentos da instituição. Convenhamos que todos nós sabemos quantos gastos extras podem surgir no dia a dia e ter um recurso disponível para isso é imprescindível. 

Além disso, existe grande um valor de marketing agregado as vendas, uma vez que normalmente os produtos levam a logo da instituição e acabam gerando uma maior visibilidade para a mesma.

Copos menos 1 lixo- WAITA Fonte: WAITA

Como escolher seus produtos

Já sabemos que vender produtos oferece várias vantagens, mas como escolher o que vender?

Primeiramente escolha produtos que tenham uma ligação com a organização e sua missão. Lembre-se que  junto com os produtos e serviços, se vende uma causa. É fundamental para o sucesso de vendas que os produtos sejam capazes de contar uma história. Aposte em produtos que levem uma mensagem, em etiquetas informativas e abuse da criatividade e inovação.

Outro fator que deve ser levado em consideração é que seu produto seja condizente com sua causa. É importante se preocupar com a origem de seu produto, com o material, com a linha de produção, com o tipo de embalagem, dentre outros fatores.

Se a sua instituição é conservacionista, por exemplo, opte por produtos ecologicamente corretos, favoreça pequenos comerciantes, favoreçam o empoderamento de mulheres e evite o uso desnecessário de descartáveis, inclusive nas embalagens.

Produto Onçafari Fonte: Onçafari

E-commerce

A aposta do momento para a venda de produtos são as lojas virtuais. 

Mesmo antes do COVID-19, pesquisas já apontavam a tendência da migração das lojas físicas para o digital. Além de apresentarem todas as ferramentas de vendas necessárias, o  e-commerce pode levar  a instituição a atingir um maior número de pessoas e expandir muito a área potencial de vendas.

2020 está apresentando uma mudança significativa no comércio global com uma forte tendência de que a maior parte das compras de varejo sejam feitas online. E esses dados, só irão aumentar.

 

Chaveiro da loja Pró-tapir Fonte: Pró-tapir

 

Depois de todos esses argumentos, você não vai mais perder tempo né? Selecione os produtos que são a cara da sua instituição, monte sua lojinha e se prepare para expandir seus horizontes.