Símbolo da fauna nativa, o mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia) é um primata endêmico aqui do Brasil, ou seja, só nós temos a sorte de abrigar uma espécie com tamanha grandeza para a biodiversidade. Ele ocorre exclusivamente na Mata Atlântica, mais especificamente no estado do Rio de Janeiro. 

O bicho chama atenção pela “juba” e pêlos com cores fortes, que variam do laranja ao vermelho-dourado. E, assim como outros micos e saguis da família Callitrichidae, seu pequeno porte, traços delicados e agilidade para se locomover, fazem do mico-leão-dourado um dos animais mais simpáticos e queridos da nossa fauna. 

Mico-leão-dourado, espécie endêmica do Brasil. (Foto: Creative Commons)

HÁBITOS 

O mico-leão-dourado vive cerca de oito anos. Mantém hábitos diurnos e costuma ser extremamente ativo durante as primeiras horas do dia. À noite, gosta de dormir em ocos de árvores ou emaranhados de cipós e bromélias.

ALIMENTAÇÃO 

São animais onívoros, ou seja, se alimentam de frutos, invertebrados e pequenos vertebrados na estação chuvosa; e de néctar, na estação seca. 

Alguns estudos mostram que o mico-leão-dourado come mais de 60 espécies de plantas e, depois de digeri-las, auxilia na dispersão de sementes pelo ambiente, o que traz para si uma grande responsabilidade no equilíbrio da natureza.

REPRODUÇÃO 

Os animais costumam se reproduzir uma ou duas vezes por ano e os períodos de reprodução vão de setembro a novembro; e de janeiro a março. 

Não há diferenciação de cor e/ou tamanho entre machos e fêmeas e, quando nascem os filhotes, que geralmente são gêmeos, tanto o pai quanto a mãe ajudam na criação. 

AMEAÇAS DE EXTINÇÃO 

Desde os anos 1970, o mico-leão-dourado é um dos símbolos da luta pela conservação da biodiversidade. Isso porque o animal está há muito tempo ameaçado de extinção! 

A destruição da Mata Atlântica, causada pela intensa ocupação da zona costeira no estado, acompanhada de extração de madeira e atividades agropecuárias, quase dizimou toda a população de micos. Pois, apesar de serem pequenos (cerca de 60 cm), os primatas necessitam de bastante espaço para sobreviver. Eles convivem em grupos de cerca de 8 indivíduos, podendo chegar a 14, e cada grupo ocupa em média 110 hectares. 

Graças a inúmeros esforços na conservação e reprodução dessa espécie, a população passou de 146 indivíduos há 25 anos, para mais de 3.200 indivíduos em liberdade atualmente, mas ainda há muito trabalho a ser feito. 

Ameaçado de extinção há décadas, o mico-leão-dourado virou símbolo da conservação de fauna brasileira.
(Foto: Creative Commons)

ASSOCIAÇÃO MICO-LEÃO-DOURADO 

Atualmente, a Associação Mico-Leão-Dourado faz um trabalho magnífico na conservação da espécie. 

Com o objetivo de atingir, até o ano de 2025, uma população mínima viável de pelo menos 2.000 micos-leões-dourados vivendo livremente em cada 25.000 hectares de florestas protegidas e conectadas, o projeto une cientistas, educadores, gestores públicos, conservacionistas e as comunidades locais para cuidar não apenas da própria espécie, mas proteger e aumentar a área de Mata Atlântica, a fim de oferecer um habitat de qualidade aos animais. 

A Associação Mico-Leão-Dourado une esforços para proteger os pequenos primatas.
(Foto: Andreia F. Martins)

 

Fontes: WWF, SOS Mata Atlântica

Leave a Reply