O Brasil está sendo o palco do encontro da Comissão Internacional das Baleias (CBI), uma organização internacional que tem como objetivo discutir temas relacionados à preservação das baleias do mundo, assim como atividades relacionadas à utilização comercial e científica destes mamíferos marinhos. O evento ocorre até sexta-feira (14/09) na ilha de Florianópolis.

Ativistas fazem protesto em frente ao local da reunião da IWC pedindo a criação do santuário – SEBASTIAN ROCANDIO / REUTERS

O Santuário de Baleias 

Porém, nesta terça-feira (11/09), a proposta de criação de um Santuário de Baleias no Atlântico Sul foi rejeitada durante votação na plenária da comissão. O santuário proposto abrange uma área de mais de 20 milhões de km² do Atlântico Sul, começando logo abaixo da linha do Equador e seguindo por todo o oceano entre as costas do Brasil, Argentina, Uruguai, e Países Africanos como Gabão, Namíbia, Angola e África do Sul.

Esquema do santuário proposto. Fonte: G1

A proposta, apesar de ter maioria a favor, precisa de mais de 75% dos votos da comissão para ser aprovada, e conseguiu apenas 61% dos votos.

O santuário tem como objetivo proteger espécies ameaçadas de baleias que vivem na Bacia Oceânica do Atlântico Sul, caso a pesca comercial seja liberada. Além disso, a iniciativa propõem a criação de uma zona de cooperação e pesquisa entre os países da América do Sul e Africa.

 

Baleia-franca com filhote

Liberação da caça comercial das baleias

Amanha, quinta-feira (13/09), está prevista a votação da proposta que libera a caça de baleias para fins “científicos” e comerciais.

Navio baleeiro japonês com 3 baleias abatidas em seu deck

O Japão é o autor dessa proposta, apoiado pelos governos da Noruega, Islândia e Russia além de outros países. A ideia é liberar a caça que é proibida ha vários anos, no Brasil, desde 1986. Porém, apesar da proibição, o Japão se utiliza de um artigo da comissão que permite a caça de baleias apenas para fins científicos, levando ao abate de mais de 1.000 baleias todos os anos entre o Pacífico e a Antártida. A carne das baleias abatidas é vendida para o consumo.

Baleias sendo arrastadas para dentro do navio baleeiro, com a bandeira de “navio de estudos científicos”

Caso a proposta seja aprovada a captura comercial de baleias seja liberada, os caçadores poderão capturar baleias que se reproduzam próximas ao litoral brasileiro, como a Baleia Franca em Santa Catarina, e a Jubarte na Bahia.

Baleia abatida por navio baleeiro. Fonte: Greenpeace

O Brasil e sua importância na proteção das baleias

A costa Brasileira é considerada um santuário para a reprodução de diversas espécies de baleias.

Na costa catarinense, a cidade de Imbituba é considerada a capital nacional da Baleia Franca, atraindo milhares de turistas todos os anos para o turismo de observação deste incríveis animais marinhos.

 

Turistas observando baleias na costa brasileira

O representante do Instituto Baleia Jubarte, José Truda, ressalta que atualmente a região brasileira tem grande quantidade de baleias em recuperação, como as Baleias Francas em Santa Catarina e as baleias jubarte no Espírito Santo e Bahia.

Turista fotografando baleia jubarte

Ele ressalta ainda que a costa brasileira é uma das regiões do mundo em que a recuperação da população baleeira está ocorrendo da maneira mais expressiva.

 

A votação ocorre esta semana, e cabe a nós nos posicionarmos contra esse retrocesso na evolução da história da civilização.

O SeaLegacy está com uma campanha em aberto para coletar assinaturas das pessoas que são contra a liberação: Clique aqui e assine você também

 

 

Por: Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em Manejo e Conservação da Fauna Silvestre

Cofundador na GreenBond

5 Comments

Leave a Reply