Em um gigantesco passo para trás na conservação, a China reabre as portas para a comercialização de produtos oriundos de tigres e rinocerontes, prática que estava banida no país  há 25 anos. Nesta segunda-feira (29/10) a China anunciou a retomada de um comércio que desde 1993 era considerado ilegal.

Peles de tigres apreendidas. Fonte: WWF

Segundo o primeiro-ministro Chinês, Li Keqiang, a liberação será apenas para casos particulares, para utilização em “tratamentos médicos” e “pesquisas cientificas”.

Para se ter acesso a estes produtos será necessária uma autorização especial e apenas os médicos de hospitais reconhecidos pela Administração Nacional de Medicina Tradicional poderão utilizá-los

Ressalta Keqiang.

Os hospitais só podem adquirir os produtos vindos de criadouros comerciais de tigres e rinocerontes – não incluindo os animais de zoológicos – onde os animais são criados para fins comerciais. Especialistas estimam que cerca de 6,500 tigres são criados nestas fazendas para fins comerciais em toda a China.

Fazenda de criação de tigres para fins comerciais. Fonte: Internet

 

Consequências devastadoras

Apesar da medida controlar o uso e restringir a comercialização apenas de criadores comerciais – não permitindo animais oriundos da natureza – essa liberação preocupa muito os ambientalistas e especialistas em conservação de todo o mundo. Este ato vai na contramão das políticas de redução da demanda por esses produtos no mercado asiático, podendo servir de “combustível” que vai aquecer mais ainda o mercado negro e a caça predatória destes animais, agravando ainda mais a situação das espécies ameaçadas.

Rinoceronte morto com chifre retirado. Fonte: internet

 

Pele e presas de tigres expostas. Fonte: internet

Estima-se que existam somente 3,900 tigres selvagens no mundo, um número assustador que coloca em perigo crítico a sobrevivência da espécie na natureza.

 

Especialistas em alerta

Leigh Henry, Diretor de Políticas de Vida Selvagem da organização WWF (Fundo Mundial para a Natureza) diz:

“A decisão da China de legalizar este mercado de fazendas de criação de tigres e rinocerontes, reverte 25 anos de progresso feito na redução da demanda por estes produtos na medicina tradicional chinesa e na criação de leis mais severas”

Tigresa com filhotes. Fonte: internet

Margaret Kinnaird, responsável por biodiversidade da organização completa:

”A retomada do comércio legal poderá não apenas servir para encobrir o tráfico clandestino, mas também para estimular uma demanda que havia baixado quando a proibição entrou em vigor”

Ossos e pele de tigre expostas. Fonte: internet

 

Em tempos sombrios, percebemos que o ser humano toma passos contrários em relação a conservação do ambiente natural, tomando um rumo perigoso que coloca em cheque a nossa própria existência.

Agora é a hora de nos unirmos e lutar contra atrocidades, pois talvez essa seja a última geração que ainda pode fazer algo para salvar o que resta de biodiversidade em nosso planeta.

 

 

Por: Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em manejo e conservação da fauna silvestre

Cofundador na GreenBond

 

 

 

 

 

Leave a Reply