Tag

Mudanças Climáticas

Dia Nacional do Controle da Poluição Industrial

By | Aquecimento Global, Desastre Ambiental, Mudanças Climáticas | No Comments

Em 14 de agosto, é comemorado mundialmente  o “Dia do Controle a Poluição Industrial”. 

Neste dia, o mundo inteiro se propõe a refletir sobre os efeitos nocivos da poluição atmosférica decorrente das indústrias e fábricas e, principalmente, sobre as ações que podem ser tomadas para diminuir essa emissão.

As indústrias, devido às suas inúmeras atividades, são o segmento de maior contribuição à dispersão de poluentes no ar, água e solo, causando inúmeros danos ao meio ambiente.

Por muito tempo acreditou-se que a poluição industrial era um problema local. Ou seja, cada cidade ou país que tome suas decisões e que lide com sua ¨bagunça¨. Ledo engano de quem pensa assim. A poluição industrial, assim como a tecnologia, também se globalizou, cruzando fronteiras geográficas e afetando diretamente a vida de toda a população mundial. 

Para entender melhor, é só pensar por um instante em um exemplo simples. Um poluente lançado por uma indústria em São Paulo, afeta a qualidade do ar da própria cidade, das cidades vizinhas e até de outros países. Além disso, pode contaminar o solo que produz alimentos para exportação, águas de rios afetando os pescados e contribui com o aumento do efeito estufa. 

O problema está longe de pequeno e pontual.

Poluição industrial. Foto: allgasbrasil

 

A diminuição da poluição mundial devido ao COVID-19 

 

O mundo inteiro está em luto pelas vidas perdidas pela pandemia, mas o meio ambiente que respirou aliviado. 

A diminuição das atividades industriais, circulação de carros e atividades gerais ao nível global, levou a uma grande queda de emissões de poluentes, podendo conferir ao ano de 2020 a maior queda já registrada por ano

Longe de ser um motivo de comemoração é importante refletirmos fortemente sobre como estamos destruindo diariamente nosso planeta e principalmente, sobre como já vivemos em uma crise ambiental a anos.

Mesmo com essa alta taxa de redução em 2020,  ainda estamos muito longe da redução necessária que precisa acontecer para evitar mudanças climáticas perigosas

A situação é perigosa e os líderes mundiais não agirem rapidamente, enfrentar outras crises futuras somadas a essa que já vivemos será muito mais difícil e poderá ser mortal para a humanidade. 

 

Dados de satélite mostrando as emissões de dióxido de nitrogênio sobre o norte da Itália em 7 de março (esquerda) e 8 de fevereiro (direita). Imagem: Sam Gassó

 

Medidas de combate a poluição

Como podemos então combater a poluição?

Já vimos que a poluição não respeita fronteiras e, desse modo, as ações de combate a mesma devem ser mundiais. Primeiramente, é fundamental o desenvolvimento de estudos apontem soluções e alternativas para a mitigação da emissão de poluentes pelas indústrias. Os resultados de tais pesquisas devem fundamentar planos de ações a nível global. A criação de políticas públicas globais, nacionais e regionais que visem a redução da poluição e o aumento da fiscalização por parte do governo é o ponto chave.

Também se faz necessário um fortalecimento das relações entre empresas, ONGs, órgãos ambientais e governo para discutir este problema e  criar metas e o comprometimento da organização na redução significativa de poluentes, apresentando os menores índices possíveis.

Mas e nós? Sabemos que podemos reduzir a emissão de poluentes no dia, mas não podemos fazer nada maior Podemos e devemos.  Escolher bem os nossos governantes, prestando atenção em suas pautas ambientais, e cobrar dos eleitos uma postura mais justa com o meio ambiente já é um ótimo primeiro passo, não acham. Talvez até o mais importante.

O meio ambiente agradece! 

Poluição do ar mata 6,5 milhões de pessoas por ano. Foto: PEXELS

Hora do Planeta 2019: sábado é dia de apagar as luzes contra as mudanças climáticas

By | Aquecimento Global, Conservação, Desastre Ambiental, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas, Notícias | No Comments

Você ficaria uma hora no escuro em um ato simbólico pela Terra? No próximo sábado (30) das 20h30 às 21h30 o WWF convida todos para apagarem as luzes durante a Hora do Planeta, um ato simbólico contra as mudanças climáticas e seu impacto na biodiversidade e na vida das pessoas que ajuda na criação da consciência sobre a importância de ações sustentáveis.

A iniciativa, criada em 2007, em Sidney, na Austrália, engaja cada vez mais cidades ao redor do mundo a cada ano. Em 2018, a Hora do Planeta teve a participação de cidades e municípios em 188 países e territórios, contabilizando mais de 17 mil ícones ou monumentos apagados. O Brasil teve uma grande participação, envolvendo mais de cem cidades e 1500 monumentos.

No site do WWF Brasil é possível acompanhar todos os desdobramentos da campanha e adesões. Também dá pra acessar materiais de divulgação e saber das ações de engajamento. Pelo mapa da participação é possível saber que cidades já confirmaram presença no movimento.

Aquecimento global: ursos-polares famintos invadem arquipélago russo

By | Animais ameaçados de extinção, Aquecimento Global, Conservação, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas, Notícias | No Comments

Ursos-polares famintos reviram o lixo em busca de comida no arquipélago de Nova Zembla, na Rússia – Foto: The Sun/Reprodução

Ursos-polares invadiram e deixaram a pequena cidade de Belushya Guba, localizada no arquipélago de Nova Zembla, na Rússia, em estado de emergência. Os animais estavam famintos, reviravam lixeiras e vasculhavam prédios à procura de comida (veja o vídeo do The Guardian abaixo).

Mais de 50 ursos foram avistados na região, deixando os 2.500 moradores do vilarejo assustados e com medo de sair nas ruas e mandar seus filhos para a escola.

Os animais começaram a chegar em dezembro. Cercas foram colocadas ao redor de alguns locais para proteção. No entanto, os ursos não se intimidam mais com policias, cachorros e sirenes que eram utilizados para afastá-los anteriormente.

Especialistas foram enviados ao local para sedar os animais e retirá-los do vilarejo, já que a caça de ursos é proibida na Rússia, e a agência federal de Meio Ambiente negou autorizações para abatê-los. Porém, segundo as autoridades locais, no caso de todas as medidas falharem, o abate pode ser a única solução.

O urso-polar (Ursus maritimus) é considerado vulnerável pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês) e se tornou o grande símbolo na luta dos conservacionistas contra o aquecimento global – Foto: Schliebe, Scott/ Domínio público

Ursos-polares x Aquecimento global

Classificado como vulnerável segundo a Lista Vermelha de animais ameaçados de extinção da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês), o urso-polar sofre cada vez mais com o aquecimento global. Atualmente, o mar congela cada vez mais tarde e derrete cada vez mais cedo. Isso faz com que os animais tenham menos tempo para caçar focas, seu principal alimento.

Com menos tempo sob o gelo, os ursos são forçados a nadar distâncias cada vez maiores até encontrar uma foca descansando na superfície. Com isso, eles perdem mais energia caçando do que ganham ao se alimentarem e são forçados a procurar outras formas de se alimentarem. Esses desequilíbrio energético pode ser fatal e, se o degelo continuar, o destino da espécie pode ser a extinção.

Com dificuldades para conseguir caçar focas, ursos-polares podem morrer de fome – Foto: Andreas Weithpolar/ Creative Commons

Com objetivo de chamar a atenção para os desafios enfrentados pelos ursos-polares num Ártico cada vez mais quente, a Polar Bear International (Urso Polar Internacional) organiza o Dia Internacional do Urso-Polar (International Polar Bear Day), celebrado em 27 de fevereiro.

A ong estimula as pessoas a usar menos energia produzida por combustíveis fósseis porque reduzir as emissões de carbono pode retardar e até impedir o aquecimento global e salvar o gelo marinho que os ursos polares necessitam para caçar com eficiência.

Segundo relatório da ONU sobre as mudanças climáticas, é preciso reduzir nossas emissões de carbono ou as pessoas terão que enfrentar desastres naturais, desde secas e inundações até grandes tempestades. Ou seja, enfrentar o aquecimento global não é só benéfico para nós, mas é essencial para a humanidade.

Mudanças climáticas podem levar à extinção de 10% das espécies de anfíbios da Mata Atlântica

By | Mudanças Climáticas, Notícias | No Comments

Perereca-das-folhagens (Phyllomedusa rohdei), endêmica da Mata Atlântica – Foto: Renato Augusto Martins/CC BY-SA 4.0

Sapos rãs e pererecas endêmicas da Mata Atlântica estão em perigo. As mudanças climáticas podem levar à extinção até 10% das espécies de anfíbios do bioma em cerca de 50 anos. Os regimes de temperatura e chuva previstos para ocorrer entre 2050 e 2070 serão fatais para espécies que habitam pontos específicos da região e possuem menor adaptação à variação do clima.

Essa é a conclusão do artigo Expected impacts of climate change threaten the anuran diversity in the Brazilian hotspots (Impactos esperados das mudanças climáticas ameaçam a diversidade de anuros em hotspots brasileiros), publicado na revista Ecology and Evolution. O estudo fez um levantamento dos anfíbios do Cerrado e da Mata Atlântica, identificou as preferências climáticas de cada espécie nas diferentes áreas em que foram encontradas e traçou modelos para estimar se os locais com climas favoráveis para os animais irão expandir ou reduzir em 2050 e 2070.

Sapo pingo-de-ouro (Brachycephalus ephippiu), endêmico da Mata Atlântica – Foto: Renato Augusto Martins/CC BY-SA 4.0

Os pesquisadores analisaram 350 das 550 espécies encontradas na Mata Atlântica e 155 das 209 espécies do Cerrado e concluíram que 37 espécies da Mata Atlântica (10,6% do total) e 5 do Cerrado devem ser extintas entre 2050 e 2070. Dessas 42 espécies, apenas cinco estão ameaçadas, segundo a Lista das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção.

Os cenários previstos também sugerem que as mudanças climáticas podem ser responsáveis por uma homogeneização dos anfíbios do Cerrado. Isso significa que espécies mais generalistas – que se adaptam a habitats diferentes e suportam variações maiores de temperatura e umidade – devem expandir seus territórios.