Tag

campanha de financiamento coletivo

Ave ameaçada inspira criação de reserva e modelo de negócio para conservação

By | Animais ameaçados de extinção, Conservação, Notícias, Projetos de conservação | No Comments

Bicudinho-do-brejo fêmea (Formicivora acutirostris). A espécie está na categoria ameaçada de extinção na Lista Vermelha da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês) – Foto: Ricardo Lopez

O bicudinho-do-brejo é uma ave ameaçada de extinção que serviu de inspiração para a criação de uma reserva em uma região reconhecida pela ONU como Área Úmida de Importância Internacional e para a criação de um ateliê que usa a arte como ferramenta para promover a conservação da natureza.

Tudo começou na primavera de 1995, dois ornitólogos, Bianca Reinert e Marcos Bornschein armaram as redes para capturar aves em um brejo no litoral do Paraná. O objetivo era estudar o comportamento do carretão, um pássaro típico da Mata Atlântica. Eles já faziam o trabalho há quatro anos e já conheciam praticamente todas as espécies da região. Foi então que um pequeno passarinho passou por baixo da rede. O animal era diferente de tudo o que eles já haviam observado naquele local. Poderia ser uma descoberta? Era muito difícil, pois ninguém descrevia uma espécie nova de ave no Brasil há muitos anos.

Bicudinho-do-brejo macho (Formicivora acutirostris). A espécie está na categoria ameaçada de extinção na Lista Vermelha da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês) – Foto: Ricardo Lopez

Os biólogos começaram uma busca pela ave misteriosa. Mas o animal era tão pequeno que passava entre os buracos da rede ou desviava do obstáculo. Demoraram algumas semanas até conseguirem capturar o bicho. Foi então que veio a confirmação. Eles tinham nas mãos uma espécie de ave que nunca havia sido descrita pela ciência. Reinert e Bornschein descreveram o bicudinho-do-brejo (Formicivora acutirostris), uma ave encontrada em áreas alagadas, endêmica da região meridional litorânea do Paraná e do nordeste de Santa Catarina.

Porém, desde sua descoberta, a espécie já estava ameaçada de extinção. Algumas áreas de habitat foram reduzidas por incêndios, loteamentos e aterros sanitários. Além disso, perturbações por tráfego de barcos durante a época de reprodução, extração de areia das margens dos rios, substituição da vegetação nativa por braquiária (uma grama da África) e a pecuária são outros problemas enfrentados pelo bicudinho.

Mirante da Reserva Bicudinho-do-brejo. Foto: Hudson Garcia/ Reprodução do Facebook

Para tentar mudar essa história, em 2009, Reinert, Bornschein e mais três amigos – Christoph Hrdina, Iracema Suassuna, e Ricardo Lopes (marido de Reinert) – criaram a Reserva Bicudinho-do-brejo em Guaratubá, Paraná. A região foi reconhecida pela ONU como uma Área Úmida de Importância Internacional, em parte devido ao brejo, onde o bicudinho ocorre, funcionar como um filtro para a água dos rios e berçário para peixes e animais aquáticos.

No entanto, em 2016, Bianca não conseguia mais trabalhar no campo por conta de um câncer. Ela começou a fazer colares de argila. Foi quando Ricardo se interessou pelo trabalho e modelou um passarinho de cerâmica. Naquele momento, eles decidiram criar o Ateliê Bicudinho-do-brejo.

Bianca Reinert encontrou na arte uma nova forma de homenagear o bicudinho-do-brejo – Foto: Ricardo Lopes

Com a ideia de utilizar a arte como ferramenta para promover a conservação da natureza, Bianca e Ricardo passaram a confeccionar peças de cerâmica que remetem à biodiversidade brasileira e o mundo dos animais. “Iniciamos esse trabalho pensando somente na renda que teríamos para ajudar no projeto da reserva. Do valor arrecadado, uma parte fica para o projeto e outra para as despesas do ateliê. Nessa iniciativa sempre fomos eu e ela[Bianca], mas contamos com a ajuda de algumas pessoas que embarcaram nessa jornada com a gente”, conta Lopes. A venda dos produtos é realizada pelas redes sociais e em algumas lojas de aromaterapia.

Para Thiago Valente, analista de Projetos Ambientais da Fundação Grupo Boticário, apoiadora do projeto, negócios também podem e devem gerar formas de conservação da natureza. “Está mais do que na hora de entendermos que a conservação não deve contar apenas com recursos de caráter filantrópico, mas também com recursos privados. No caso do bicudinho, a reserva tem potencial de captar recursos e o ateliê apoia na sensibilização de atores de outras áreas do conhecimento para a causa.”

Bicudinhos-do-brejo de cerâmica são cuidadosamente esculpidos por Ricardo – Foto: Ricardo Lopes

Infelizmente, em setembro de 2018, Bianca faleceu devido à doença. “Ela foi uma lutadora sem igual, uma lição de força, coragem e perseverança, tanto na sua vida pessoal quanto na sua dedicação pela proteção do bicudinho-do-brejo”, escreveu seu marido.

No mesmo ano, a Reserva quase fechou as portas devido a dificuldades financeiras, mas com ações para arrecadar recursos – como venda de artesanato e livros e participações em exposições e eventos – Ricardo conseguiu manter o projeto. Hoje, o marido de Bianca continua na busca de parcerias para continuar a luta pela conservação do bicudinho-do-brejo.

Se você se interessou pelo trabalho com o bicudinho-do-brejo, acesse a campanha de financiamento coletivo Eu Meto o Bico e ajude uma espécie ameaçada de extinção. Mas corra, porque a campanha se encerra no dia 17/03/2019.

Onçafari lança campanha de financiamento coletivo pela conservação da onça-pintada

By | Conservação, Notícias, Onça-pintada | No Comments

O Onçafari começou a campanha de financiamento coletivo (crowdfunding) Calendário Onçafari 2019 – deixe seus dias mais selvagens para continuar a luta pela preservação das onças-pintadas e dos lobos-guarás, promover a conservação do meio ambiente e contribuir com o desenvolvimento socioeconômico das regiões de atuação do projeto.

Para participar é simples: escolha o valor da sua contribuição e sua recompensa no site https://ajude.oncafari.org/, faça um rápido cadastro, selecione a forma de pagamento e pronto. Você irá adquirir um calendário exclusivo que inclui as datas comemorativas mais importantes para o meio ambiente, fotos incríveis das nossas onças-pintadas e lobos-guarás e, de quebra, ainda contribui para que o Onçafari continue seu trabalho de conservação.

O projeto foi fundado em 2011 por Mario Haberfeld, ex-piloto de Fórmula Indy que resolveu se dedicar integralmente a conservação da vida selvagem. O objetivo é aumentar o interesse dos fazendeiros no turismo de observação de animais, atrair turistas interessados em ver o animal, gerar novas oportunidades de emprego para as pessoas da região, ajudar na conservação do felino e, consequentemente, de seu habitat.

Todos os recursos serão destinados para custear os salários dos biólogos, veterinário, guias e colaboradores do Onçafari e permitirá que a organização continue atuando em 6 frentes diferentes:

  • Ecoturismo: habituação de animais, como a onça-pintada e o lobo-guará, à presença de veículos de safári para que eles sejam vistos com mais frequência e por mais tempo por turistas. É importante dizer que o processo não envolve métodos de domesticação (como o oferecimento de comida) e os felinos selecionados permanecem selvagens.
  • Ciência: Monitoramento do comportamento de animais frente à atividade de ecoturismo com o objetivo de avaliar o estado de saúde de cada indivíduo e fazer pesquisas em ecologia e fisiologia das onças-pintadas e lobos-guarás, aumentando assim o conhecimento científico sobre as espécies e potencializando sua proteção.
  • Rewild: Estruturação de projetos de pesquisa com foco em reintrodução de onças-pintadas na natureza, em parceria com o CENAP-ICMBio. Uma importante ferramenta para a recuperação de populações ameaçadas de extinção.
  • Social: Atuação direta com as comunidades locais onde nossos projetos estão inseridos. Fornecemos uniformes e materiais didáticos para alunos e professores em escolas locais, realizamos palestras sobre profissões que promovem ascensão social e disponibilizamos atendimento na área da saúde (odontológico, médico e veterinário) em comunidades próximas.
  • Florestas: Preservação de áreas de interesse ecológico. Mantemos propriedades que abrigam áreas de mata nativa ou em regeneração com o objetivo de protegê-las. Além de auxiliarmos na criação de unidades de conservação e áreas de proteção.
  • Educação: O Onçafari Education tem por objetivo conscientizar a população sobre a importância da preservação da biodiversidade, através de palestras, atividades de campo, filmes e eventos.

Para saber mais sobre a campanha acesse https://ajude.oncafari.org/ e faça a sua doação.