Sistema B: a união entre lucro e sustentabilidade 

Diante de um contexto sócio-ambiental cada vez mais negativo por todo o mundo, por que a maioria das empresas ainda considera apenas o lucro como um indicador de sucesso? É partindo dessa premissa que surge o conceito de “empresas B”. 

Acredite, seja de pequeno, médio ou grande porte, qualquer modelo de negócio pode substituir a máxima do “lucro acima de tudo” pelo “lucro com benefícios sócio-ambientais”. 

COMO SURGIU A IDEIA? 

Em 2009, um trio de empresários americanos reparou que a valuation (valor de uma empresa para investidores) de seu negócio não considerava a consciência social e ambiental dos fundadores. Ou seja, na teoria eles valiam tanto quanto um concorrente qualquer.

Então, Jay Coen Gilbert, Bart Houlahan e Andrew Kassoy dedicaram-se à criação de um selo de identificação para companhias que tivessem um impacto positivo, algo que permitisse que elas fossem reconhecidas e valoradas não só pelo lucro, mas por cumprirem metas sociais, ambientais e de transparência.

Com o objetivo de criar um movimento concreto, fundaram o B Lab e desenvolveram uma metodologia própria que inclui o índice Global Impact Investing Rating System (GIIRS) e um processo de avaliação composto por 160 indicadores.

 

AS EMPRESAS B 

As Empresas B aproveitam seus modelos de negócio para auxiliar no desenvolvimento de comunidades, redução da pobreza, além da busca por soluções para problemas ambientais, em especial de mudanças climáticas.

Hoje, há mais de 950 companhias – 75 delas na América Latina – em 30 países e 60 setores. No Brasil, esse conceito chegou há pouco tempo, liderado pelo Comitê para Democratização da Informática (CDI) em parceria com o Sistema B, representante do movimento na América Latina, e já possui 46 empresas com o certificado. Entre as brasileiras, se destacam a Natura e Danone

Luiz Seabra, Guilherme Leal e Pedro Passos, fundadores da Natura, recebem o certificado de Empresa B. (Foto: Projeto Draft)

 

MISSÃO E VALORES DO SISTEMA B: 

1- Resolver problemas sociais e ambientais a partir dos produtos e serviços oferecidos pelas próprias empresas; e nas práticas laborais e socioambientais, atender as comunidades, os fornecedores e os públicos de interesse;

2- Um rigoroso processo de certificação, que examina todos os aspectos da empresa e que deve atender aos padrões de desempenho mínimos, além de ter um forte compromisso com a transparência no relatar publicamente seu impacto socioambiental;

3- Também fazer as mudanças legais para proteger sua missão ou finalidade comercial e, portanto, combinar o interesse público com o privado. Isso também irá construir uma confiança com os cidadãos, clientes, colaboradores e novos investidores.

 

POR QUE AS EMPRESAS DEVEM ADERIR AO MOVIMENTO? 

Além de tornar-se um negócio oficialmente engajado com a sustentabilidade em seu ramo de atividade, promovendo um desenvolvimento sustentável da empresa e da comunidade ao redor, também existem outros benefícios igualmente atraentes, como: economia nos serviços de acesso (CRM, e-commerce etc), atração de investidores ligados à economia solidária (empreendedores sociais) e participação em campanhas publicitárias criadas pela B-Corp, o que aumenta significativamente o seu nível de conhecimento e relevância no mercado. 

 

Acesse o site oficial e conheça todos os benefícios. 

Leave a Reply