No último dia 20 de Agosto, foi registrada uma sequência raríssima de ser filmada na natureza: uma predação de onça parda (Puma concolor).

A onça parda também é conhecida por seus diferentes nomes populares, tais como: Puma, Leão-baio, Leão-da-montanha ou Suçuarana.

Confira o vídeo da predação:

 

Monitoramento de fauna no reflorestamento

A cena foi registrada durante uma campanha de monitoramento de fauna desenvolvido e implantado pela Ambiens Soluções Ambientais, à serviço da Tijoá Energia, empresa que tem a concessão da Usina Hidrelétrica Três Irmãos.

Biólogos da Ambiens em monitoramento de fauna

A UHE Três Irmãos está reflorestando todo o entorno da represa como parte de um programa de recuperação ambiental para mitigar os danos causados pela inundação. O reflorestamento está indo muito bem e muitas espécies ameaçadas estão voltando a aparecer nas áreas restauradas.

Após identificar o local para instalar a câmera, em uma das parcelas do reflorestamento que estava sendo monitorada, o biólogo Gustavo Gáspari ligou o equipamento e foi embora deixando a câmera trap (ou armadilha fotográfica), que é acionada por movimentos, trabalhar.

 

Uma cena rara

O que ninguém esperava era que a onça parda fosse abater o veado-catingueiro (Mazama gouazoubira) bem na frente do equipamento, que registrou a sequência quase completa do abate (menos o momento do primeiro ataque).

Veado-catingueiro (Mazama gouazoubira). Foto: Gustavo Figueirôa

As suçuaranas são animais de hábitos noturnos, muito reservados e evitam ao máximo o contato com seres humanos, o que torna quase impossível que um registro de predação como esse seja feito com facilidade.

O abate

Primeiro, a onça crava suas presas no pescoço do veado a fim de sufoca-lo até a morte. Esta é uma tática comum entre as onças pardas, pois não tem força suficiente para matar com uma mordida na base da nuca, como fazem as onças-pintadas (Panthera onca)

Onça parda por cima do veado-catingueiro mordendo seu pescoço

Após um tempo de luta, o felino consegue sufocar com sucesso sua presa. Exausta após a caçada, a onça recupera o folego enquanto olha para os lados para garantir que está sozinha.

  

Algum tempo depois, ela arrasta sua janta pelo chão da floresta para um local mais escondido, onde irá saborear os espólios de uma caçada bem sucedida. A ação toda ocorre em menos de 8 minutos.

 

Resultados positivos do reflorestamento

Desde 2015, quando o monitoramento começou a ser feito pela equipe de biólogos da Ambiens, já foram registradas mais de 240 espécies de aves e 30 espécies de mamíferos de médio e grande porte. Dentre eles: Anta (Tapirus terrestris), Lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), Tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla), Tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla) além é claro da própria Onça parda (Puma concolor).

Tamanduá-bandeira registrado no interior de São Paulo. Foto: Gustavo Gaspari


Registro de anta por meio armadilha fotográfica instalada em área de reflorestamento da UHE Três Irmãos. Image: Tijoá Energia


Lobo-guará registrado no reflorestamento. Foto: Gustavo Gaspari

 

Por: Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em manejo e conservação de fauna

Cofundador na GreenBond

Leave a Reply