Dia Internacional da Conservação dos Anfíbios

 

Para finalizarmos o mês com chave de ouro, hoje é o Dia Internacional da Conservação dos Anfíbios! A data ressalta a importância da preservação desses seres que, diferente do que muitos acham, são importantíssimos para o equilíbrio do meio ambiente.

 

Um pouco sobre os Anfíbios

 

O que são anfíbios, afinal? A palavra significa “vida dupla”, porque esses animais são capazes de viver no ambiente terrestre na fase adulta, mas dependem da água para diversas atividades, como a reprodução!

Um fato curioso é que além de não possuem pêlos e nem escamas, são incapazes de manter constante a temperatura de seu corpo, por isso são chamados animais ectotérmicos, ou seja, dependem da temperatura do ambiente para regularem o metabolismo.

No estágio da vida aquática, quando são girinos, os anfíbios respiram por brânquias, como os peixes. Quando adultos, vivem em ambiente terrestre e realizam a respiração pulmonar. Como os seus pulmões são simples e têm pouca superfície de contato para as trocas gasosas, a respiração pulmonar é pouco eficiente, sendo importante a respiração cutânea – processo de trocas de gases com o meio ambiente através da pele.

 

Foto: internet/girino de rã-madeira com tamanho normal de cauda

 

Grupos

 

Mas afinal, o que é considerado um anfíbio? São divididos em três grupos: Ápodes, Anuros e Urodelos.

 

  • Ápodes: Cecílias

 

Foto de Wilkinson M, Sherratt E, Starace F, Gower DJ (2013)/Wikimedia Commons

 

Anuros: Sapos, rãs e pererecas

Foto de Gustavo Figueiroa/sapo

 

Foto de MOs810/Wikimedia Commons – rã

 

Foto de Renato Augusto Martins/Wikimedia Commons – perereca

 

Urodelos: Salamandras-de-fogo

Foto: internet/salamandra

 

Importância para o meio ambiente e para nós

 

Como todo animal, eles fazem parte da cadeia alimentar, se alimentando de insetos e outros invertebrados. Ou seja, entre outras coisas, eles são responsáveis pelo controle de diversos grupos considerados pragas por seres humanos.

Mas essa não é a sua única função. Atualmente, já se sabe que esses animais são bioindicadores, ou seja, sua presença em um local funciona como indicador de que o ambiente está em equilíbrio ecológico. “Os anuros são altamente sensíveis às alterações do ambiente. Por depender de ambientes aquáticos e terrestres em bom estado de conservação, qualquer alteração na qualidade da água e na temperatura pode extinguir espécies. Então, quando eles começam a desaparecer algum dano ao ambiente pode estar acontecendo”, afirma Adelina Ferreira, doutora de biologia que trabalha com a reprodução dos anuros e professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Não é só. Alguns anfíbios apresentam substâncias em sua pele com funções de proteção, o que tem atraído a atenção de grandes laboratórios farmacêuticos. “Os anuros não tem garras nem dentes poderosos, por isso eles usam a secreção para se proteger de fungos, bactérias, protozoários e de predadores maiores. São diversas espécies com compostos químicos muito variados, visados para estudos de substâncias novas que possam servir para várias utilidades”, aponta Marcos André de Carvalho, doutor em zoologia e professor da UFMT.

 

Conservação e perigo de extinção

 

Por serem sensíveis a alterações no clima, populações de anfíbios pelo mundo vem decaindo vertiginosamente ao longo dos últimos anos. Confira alguns dados preocupantes sobre o status de conservação desse grupo:

– Mais de 32% das espécies de Anfíbios estão consideradas em perigo de extinção, um número significativamente maior do que em qualquer outro grupo de animais (p. ex. nas Aves 12% e nos Mamíferos 23%);

– Quase 50% das espécies conhecidas de Anfíbios encontram-se em declínio;

– Cerca de 165 espécies de Anfíbios podem, na verdade, encontrar-se já extintas.

 

Pode assim dizer-se que os Anfíbios são o grupo de animais globalmente mais ameaçado em todo o mundo. As causas do desaparecimento dos Anfíbios são múltiplas e variam de local para local, mas podemos considerar como principais:

– a sua especial fragilidade face às alterações climáticas e ao aumento das radiações ultravioleta;

– a poluição do solo e da água devido ao uso excessivo de adubos e pesticidas;

– o desaparecimento dos locais de reprodução devido principalmente à intervenção do homem;

– a proliferação a nível mundial de uma grave doença causada por um fungo, que pode levar rapidamente à morte (quitridiomicose);

– a influência negativa de espécies exóticas invasivas, em especial de peixes predadores;

– a captura para consumo alimentar ou venda como mascotes em lojas de animais;

– a mortalidade nas estradas quando das migrações para (ou desde) os locais de reprodução.

 

Foto de Ian Wongkar

 

Nós do #Bond apoiamos projetos e causas para a proteção dos anfíbios! Ressaltamos a importância desta data para a conservação das espécies.

Leave a Reply