Category

Não categorizado

Fakebook.eco: luta contra fake news ambientais ganha aliado de peso

By | Não categorizado | No Comments

Aparentemente, as fake news que envolvem o meio ambiente estão com os dias contados! O Fakebook.eco, uma iniciativa do Observatório do Clima (OC), promete combater a desinformação ambiental por meio de uma plataforma novíssima na internet. Trata-se de uma união entre dois projetos mais antigos: o Fakebook, feito em colaboração pelo OC, Greenpeace e o ClimaInfo em 2019; junto do Agromitômetro, outra iniciativa de verificação de informações ambientais do OC, que existe desde 2018. 

 

MITO OU VERDADE? 

A plataforma surgiu com o intuito de unir e sistematizar informações sobre os principais mitos, distorções e mal-entendidos acerca do meio ambiente no Brasil. Os organizadores deixam bem claro, desde o início, que não pretendem trazer e/ou impor verdades absolutas, mas se comprometem com a junção do método jornalístico de verificação de fatos e as melhores referências científicas disponíveis. Dessa forma, esperam disseminar informações mais claras e verídicas.

As duas principais vertentes do site são: “Falácias frequentes”, onde desmistificam alguns erros constantes sobre o tema, como por exemplo, a teoria errônea de que o clima da Terra sempre mudou. Os assuntos são divididos em: clima, florestas, uso da terra e energia. 

Foto: Nicolaj Larsen/Shutterstock

A outra vertente é o “Verificamos”, área do site na qual a plataforma expõe suas verificações rápidas das declarações de autoridades ou fake news ambientais. Um exemplo é a constatação de que o programa de pagamento por serviços ambientais anunciado pelo governo Bolsonaro não é o “maior do mundo”

 

COLABORAÇÃO É A ALMA DO NEGÓCIO

O melhor de tudo é que a plataforma é colaborativa! Você pode ajudar no combate à desinformação sugerindo algumas pautas ou enviando notícias para verificação. Há uma página dentro do site que recebe propostas do público sobre conteúdos ambientais estranhos achados na internet,  informações de cunho duvidoso recebidos daquele tio no grupo de zap da família ou discursos possivelmente distorcidos de autoridades. 

Outra forma de ajudar é comunicando possíveis erros nas verificações. Por mais que a intenção seja a melhor possível, todos estão sujeito à falhas. Por isso, a plataforma também disponibiliza um formulário para que o público possa indicar erros nos textos produzidos pela equipe do Fakebook.eco.

 

COMO TUDO COMEÇOU? 

Nossos leitores envolvidos com música já devem estar familiarizados com o termo “fake book”. Trata-se de compilações das informações básicas de algumas canções – acordes, melodia e letra – para que os profissionais pudessem improvisar livremente a partir delas. Eram muito tradicionais entre os músicos de jazz do século XX e lhes garantiam sucesso em qualquer apresentação musical. 

De acordo com declarações da equipe expostas no site, “Quando nós começamos a checar as fake news mais frequentes do governo de Jair Bolsonaro na área ambiental, não imaginávamos que o resultado seria um libreto de 35 páginas. Ele acabou ganhando o nome de “Fakebook” – um trocadilho com seu conteúdo – porque também fornecia um roteiro mínimo a jornalistas, investidores, membros de governos e organizações internacionais que precisassem lidar com o discurso do governo sem ter conhecimento prévio da situação ambiental do Brasil.”

O site foi lançado no último dia 8 de junho, aniversário do atual ministro do meio ambiente Ricardo Salles. A “coincidência” foi estrategicamente pensada para provocar a autoridade que, ao invés de proteger nossa natureza, se mostra cada dia mais contra os princípios da conservação ambiental. 

Nós, da GreenBond, admiramos e apoiamos a iniciativa. Acreditamos no poder da disseminação de informação correta para combater as adversidades ambientais. Estamos juntos!

Mudanças Climáticas e Coronavírus: qual a relação entre os dois?

By | Aquecimento Global, Desastre Ambiental, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas, Não categorizado | No Comments

No dia 16 de março, celebramos o Dia Nacional de Conscientização sobre as Mudanças Climáticas. Este dia foi criado com o objetivo de chamar atenção das pessoas para os riscos associados às alterações no clima, assim como para as ações que devemos tomar para reduzir ao máximo os impactos dessas mudanças em nosso planeta. A única certeza que temos até agora, é que as mudanças já estão causando efeitos catastróficos em algumas partes do mundo, e causarão ainda mais. A conta já está alta e uma hora vai chegar com maior força. Cabe a nós decidirmos o quão grande será a conta que virá.

Fonte: Imagem da internet

 

Causas e efeitos do aquecimento global

Já é comprovado há tempos pela ciência que a ação humana tem intensificado e acelerado essas mudanças diretamente. A principal fonte causadora do aquecimento global é o aumento da emissão de gases de efeito estufa (GEEs), como o metano (CH4), óxido nitroso (N2O) e primariamente o dióxido de carbono (CO2), entre outros.  A queima de combustíveis fósseis, o desmatamento, perda de biodiversidade e uso irracional dos recursos naturais, são as maiores causas de emissão desses gases na atmosfera. No Brasil, a maior parte das emissões de GEEs é causada pelo desmatamento, seja por meio do corte ou queimada de árvores.

Emissão de gases do efeito estufa na atmosfera. Fonte: Internet

 

O aumento da temperatura média da Terra já está mostrando efeitos diretos em diferentes cenários, como os níveis recordes de derretimento de geleiras nos polos, aumento do nível dos oceanos,  tempestades mais intensas, períodos de secas mais prolongados, entre outros fatores que influenciam a vida de bilhões de pessoas no mundo. Cientistas do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU), já comprovaram que a temperatura do planeta está 0,8 grau mais quente, e que, se nada for feito para interromper o ciclo das mudanças climáticas, esse aumento pode atingir alarmantes 1,5 graus.

Comparativo da cobertura de gelo no polo norte entre 1984 e 2016. Fonte: Internet

 

Coronavírus X Mudanças Climáticas

Por coincidência, a data caiu bem em meio a uma crise mundial de saúde, a pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Você deve estar se perguntando o porquê de citarmos a pandemia no meio de um texto sobre mudanças climáticas. Bom, a relação aqui vem em um nível de estrutura societária. Entenda, o surto de coronavírus é grave, porém a previsão dos cientistas é que dentro de 4 meses tudo comece a voltar ao normal. Mesmo assim, o surto está levando ao fechamento de aeroportos e fronteiras, esvaziamento das prateleiras em supermercados, cancelamento de grandes eventos, além da superlotação de hospitais.

Fonte: Internet

Imagine agora, caso o nível do mar suba mais ainda e milhares de cidades costeiras fiquem inabitáveis. Isso geraria uma migração em cadeia de centenas de milhões de pessoas para o interior dos continentes, podendo causar uma ruptura nas estruturas sociais que existem hoje. Recursos ficariam escassos, espaço para moradias seriam ainda mais disputados e a ordem pública entraria em grave risco.

 

Faça sua parte!

Neste Dia Nacional de Conscientização sobre as Mudanças Climáticas, deixamos o nosso alerta, nosso tijolo em um muro que está sendo construído há anos por cientistas que, muitas vezes, não são ouvidos. As ações para diminuir a intensidade das mudanças climáticas devem ser tomadas já, não há mais tempo para prorrogação. Você pode fazer a sua parte.

Utilize os recursos naturais de forma mais consciente. Reduza o consumo de matérias-primas, reutilize todo o material que for possível ser reaproveitado. Escolha produtos e serviços de empresas que respeitam e se preocupam com a saúde do meio ambiente. Nós acreditamos na mudança!

 

 

O olhar da GreenBond sobre as queimadas no Pantanal

By | GreenBond, Marketing na Conservação, Meio Ambiente, Não categorizado, Notícias | No Comments

Esse foi um mês bem movimentado para nós da GreenBond. Incêndios assolaram o Pantanal, atingindo boa parte dos projetos para os quais trabalhamos e mobilizou nossa equipe intensamente para fazer o melhor trabalho de comunicação. 

Infelizmente, foi um fenômeno que tomou o Pantanal de forma muito rápida, dando pouco tempo para planejamentos e ações elaboradas. Mas, com uma boa comunicação entre as equipes alocadas em campo e os colaboradores aqui de São Paulo, conseguimos manejar as informações para atualizar o público e usá-las estrategicamente no gerenciamento de crise. 

Sinais de fogo na Fazenda Caiman. (Foto: Onçafari)

 

AS QUEIMADAS NA FAZENDA CAIMAN/ONÇAFARI

No dia 9 de setembro, começou o primeiro foco de queimada numa fazenda em Miranda, vizinha do Refúgio Ecológico Caiman, que é o principal ponto de trabalho do nosso parceiro Onçafari. O fogo atravessou o rio Aquidauana e atingiu a fazenda, já colocando toda a equipe do projeto em alerta.

Incêndio que devastou o Pantanal no mês de setembro. (Foto: Onçafari)

 

Preocupados com os bichos locais e com as estruturas que abrigam colaboradores, hóspedes e animais, a equipe tomou decisões rápidas e acertadas, colocando a segurança de todos os seres ali presentes como prioridade. 

A primeira ação foi resgatar o Jatobazinho, onça residente do recinto de reintrodução, que estava passando por um período de treinamento para voltar à natureza. O felino foi rapidamente transportado para a Fazenda Vera Lúcia, onde acontece o projeto Onças do Rio Negro. Lá ele ficou protegido  e continuou sendo monitorado. 

 

Jatobazinho, a onça resgatada no incêndio pela equipe do Onçafari. (Foto: Leonardo Gomes)

 

Após o resgate, os colaboradores do Onçafari continuaram acompanhando o aparecimento das outras onças monitoradas, contabilizando uma a uma todas que estavam saudáveis e seguras. Até o momento, já foram confirmadas 9 onças, sendo 2 filhotinhos. 

O mais importante de toda essa mobilização foi a junção de diversos profissionais para salvar o Pantanal e mais do que isso, para comunicar e atualizar a população sobre cada passo durante a tragédia.

 

TRABALHO JUNTO DO SOS PANTANAL 

Um dos nosso parceiros é o SOS Pantanal, que auxilia de diversas formas no desenvolvimento sustentável do bioma. Junto deles, conseguimos ter um panorama mais fiel dos danos causados pelo fogo e traçar estratégias adequadas ao cenário. 

De acordo com as estimativas, foram mais de 1,5 milhões de hectares consumidos pelo incêndio (mais de 2 milhões de campos de futebol). Os pesquisadores detectaram cerca de 2.400 focos de incêndios só no mês de agosto, ultrapassando de forma considerável os números do ano passado. Ou seja, o retrato de queimadas de 2019 foi realmente assustador

A primeira ação tomada pelo SOS foi colocar profissionais em campo para mapear o estrago. Com fotos, vídeos e algumas informações mais profundas, pudemos comunicar com mais clareza o ocorrido, além de compor um relatório capaz de auxiliar no planejamento de soluções. O susto já passou, mas os trabalhos para recuperar o Pantanal estão apenas começando. 

 

Profissionais analisaram todos os dados coletados para salvar o máximo de recursos possível. (Foto: Onçafari)

 

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO EM MOMENTOS DELICADOS 

A GreenBond desempenhou um papel importante diante desta terrível tragédia. Comunicar o que está acontecendo com transparência, imparcialidade e clareza é imprescindível para disseminar a informação, promovendo a educação ambiental. Explorar o assunto abordando causas, consequências e medidas protetivas, estimula o senso de conservação e pode até mesmo prevenir futuras ações catastróficas. 

 

Parte da equipe alocada para trabalhar no Pantanal durante os incêndios. (Foto: Onçafari)

 

Além da comunicação, nós também auxiliamos na criação da campanha de financiamento coletivo ancorada pelo Onçafari. A arrecadação servirá para reformar o recinto de reintrodução de onças-pintadas e recuperação dos recursos hídricos, além do cuidado com a flora local. E, quanto maior o número de pessoas impactadas pela causa, maior será o investimento na regenaração do Pantanal, por isso aplicamos muito tempo e esforço na divulgação da campanha. 

 

6 consequências do desmatamento na Amazônia

By | Desastre Ambiental, Meio Ambiente, Não categorizado | No Comments

Você sabia que as florestas são essenciais para conservar a biodiversidade do planeta? Elas suprem a necessidade de abrigo, água e sustento para milhares de pessoas! E pensando nisso, podemos dizer que a Amazônia é o coração pulsante do nosso planeta, ou seja, é vital para equilibrar o clima global. A mata armazena bilhões de toneladas de carbono, um volume maior de água doce do que qualquer outro lugar do mundo, além de uma grande variedade de plantas e animais. Também é o lar de milhares de pessoas, incluindo povos indígenas e comunidades locais.

Mas, no momento, toda essa riqueza está ameaçada: o desmatamento na Amazônia cresceu 88% em relação ao mesmo período do ano passado! Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), essa destruição já atingiu 920 quilômetros quadrados dentro do bioma. As estatísticas e o descaso do governo com políticas ambientais preocupam, não apenas pelo bioma em si, mas pelas consequências irreversíveis que essas agressões podem trazer para o planeta. 

O desmatamento na Amazônia cresce em escala alarmante. (Foto: PAULO WHITAKER/Reuters)

Confira algumas consequências da ação humana na nossa natureza:

1. Devastação da biodiversidade  

Com a derrubada da mata, o habitat de muitos animais torna-se escasso ou até mesmo inexistente. Por isso, diversas espécies endêmicas, ou seja, que só existem nesta determinada região, como Uacari-Branco (Cacajao calvus), mico-de-cheiro (Saimiri vanzolinii), ave Formigueiro-ferrugem (Myrmeciza ferruginea), etc., ficam sob risco de extinção à medida que o abate nas florestas da Amazônia avançam. Hoje, já existem 124 espécies endêmicas ameaçadas! 

2. Erosão e empobrecimento dos solos 

Sem cobertura vegetal, o solo fica desprotegido, sendo facilmente atingido por agentes erosivos como água da chuva, água do rio, vento, etc. Tal impacto ocasiona a erosão, que nada mais é do que o desprendimento, transporte e depósito de sedimentos de um local para o outro, trazendo e levando elementos indesejados, além de empobrecer consideravelmente o solo.

3. Diminuição dos índices pluviométricos 

Se você acha que o desmatamento da Amazônia impacta apenas a vida no próprio bioma, está muito enganado. A ação humana sobre a natureza da região influencia a falta de água sentida em outras regiões mais populosas do país, incluindo o Sudeste! 

Estudos apontam que a diminuição da quantidade de árvores na Amazônia impede o fluxo de umidade entre o Norte e o Sul do país. 

4. Mudanças climáticas 

Muitas florestas contribuem para a formação de umidade no ambiente, além de absorver o calor do sol para fazer a fotossíntese, de forma que sua retirada pode prejudicar o equilíbrio climático do local. No caso da Amazônia, já existem alguns estudos prevendo que até o ano 2050, as temperaturas aumentarão entre 2º C e 3°C! Como se não bastasse, a diminuição das chuvas pode prolongar os períodos de seca, deixando-os ainda mais severos. 

O mais preocupante é que essas alterações trazem graves consequências, como mudanças substanciais na sazonalidade, com impactos sobre plantas, animais e seres humanos.

5. Desertificação 

Estudos revelam que, se o desmatamento chegar a 50% da área original da Amazônia, o processo de desertificação pode transformar a região leste da floresta em savana. Tal feito estabeleceria um novo estado de equilíbrio, dando ao bioma uma configuração de destruição irreversível, ou seja, não teríamos chances de salvar o “ar condicionado” do país. 

6. Aumento de pragas e doenças 

A relação entre desmatamento e doenças já vem sendo debatida há algum tempo por cientistas e ambientalistas. Mas, recentemente, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) concretizou um estudo inédito relacionando o desflorestamento da Amazônia e doenças como malária e leishmaniose.

Repositora de serviços ecológicos e ambientais, a floresta Amazônica, quando conservada em volume e biodiversidade, é, para os pesquisadores Nilo Saccaro, Lucas Mation e Patrícia Sakowski, a forma de conter o aumento destas doenças.

 

Essas são as principais e mais preocupantes consequências da recorrente agressão à natureza aqui no Brasil. Os números de destruição só crescem, o governo, na contramão da necessidade, segue flexibilizando as leis ambientais do país e com isso, colocamos nossa própria existência em risco. 

Então, repense suas atitudes. Consulte planos de governo antes das eleições, procure por intenções e propostas de conservação do meio ambiente, cobre das autoridades mais rigor em relação às leis ambientais e lute você também pela existência da biodiversidade. 

Considerada extinta, subespécie de felino raro é vista pela primeira vez em 30 anos

By | Animais ameaçados de extinção, Conservação, Não categorizado, Notícias | No Comments

Considerada uma espécie vulnerável a extinção, a pantera-nebulosa é um dos felinos mais enigmáticos do mundo. Recentemente uma subespécie endêmica da ilha de Taiwan, considerada extinta há mais de 5 anos, não vista desde 1983, a Pantera-nebulosa Formosa (Neofelis nebulosa brachyura) pode ter sido avistada nas dependências da ilha.

Pantera-nebulosa, espécie considerava vulnerável pela IUCN. Fonte: Ltshears (Creative commons)

Em 2013, após mais de 13 anos de pesquisa cientifica com câmeras trap espalhadas pelas florestas de Taiwan, inúmeras armadilhas e horas de campo sem nenhum registro da pantera-nebulosa formosa na ilha, cientistas concluíram que a subespécie podia ser considerada extinta na natureza. Um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo, Chiang Po-jen, afirma acreditar que alguns animais ainda existam na região, porém em números insignificantes. Chiang afirma ainda :

“Uma floresta com panteras-nebulosas é diferente de uma floresta sem panteras-nebulosas. Uma floresta sem panteras é uma floresta morta”

Porém, alguns aldeões e moradores de regiões remotas de Taiwan dizem ter visto o animal caçando cabras na região e até caminhando próximos à estrada. O diretor do distrito da Floresta Taitung, afirma que tem esperanças de confirmar os boatos, por isso novas pesquisas serão realizadas na área a fim de confirmar cientificamente a existência do felino no local.

Apesar de nao ser vista há décadas, pesquisadores relutam em colocar a espécie oficialmente como extinta.
Foto: Khaled Azam Noor/Shutterstock

 

 

 

Por: Gustavo Figueirôa

Biólogo, especialista em manejo e conservação de fauna.

 

GreenBond a empresa que arrecada recursos para projetos de conservação

By | Conservação, Ecoturismo, GreenBond, Meio Ambiente, Não categorizado | No Comments

Gustavo (na frente) e Diego (atrás), fundadores da GreenBond, no Pantanal – Foto: Gustavo Figueiroa

Fundada por um veterinário especialista em marketing digital e um biólogo conservacionista, a GreenBond é uma empresa de impacto socioambiental que usa estratégias de comunicação para captar recursos para projetos de conservação através de leis de incentivo, produções de eventos e campanhas de crowdfunding. “O grande diferencial da GreenBond é selecionar projetos de conservação de acordo com as metodologias mais utilizadas em relação à governança, transparência, e credibilidade das Ongs” diz Diego Rugno Arruda, o veterinário especialista em marketing digital.

A equipe da GreenBond analisa os projetos de conservação, monta e executa estratégias para otimizar a captação de recursos e busca possíveis apoiadores que se identificam com as instituições. “Quando entendemos como a Ong funciona e qual o trabalho que ela executa, conseguimos fazer um “match” para o tipo de pessoa física ou o tipo de pessoa jurídica mais adequada”, diz Diego.

“Um dos nossos objetivos é fomentar uma lei que permita abater impostos para financiar projetos de conservação. Uma Lei Rouanet para a área ambiental”, diz Gustavo Figueiroa, o biólogo conservacionista. “Nós queremos estimular um ambiente onde as pessoas tenham vontade de trabalhar pela conservação, tanto pela paixão quanto pela remuneração.”

Para conseguir arrecadar recursos para projetos de conservação, a GreenBond trabalha em diferentes frentes:

  • Estabelecimento de uma estratégia de comunicação (com enfoque em mídias sociais), específica para cada projeto, com o objetivo de criar uma relação mais próxima entre pessoas, empresas, governo e Ongs e estimular parcerias entre o setor privado e o terceiro setor.
  • Produção e promoção de produtos e eventos que voltem recursos para a conservação
  • Criação de campanhas de financiamento coletivo (crowdfunding) que promovam causas ambientais

A ideia é que a GreenBond se torne uma referência no mundo da conservação da biodiversidade. “A gente deseja criar uma boa relação com as empresas para que elas percebam que vale a pena investir no meio ambiente. Hoje os consumidores estão cada vez mais ávidos por consumir produtos sustentáveis e arrecadar recursos pra esses projetos via marketing de causa é algo muito interessante e ainda pouco explorado no Brasil”, diz Diego.

Uma perspectiva pessoal

Meu primeiro contato com a GreenBond foi no Pantanal, o lugar que mais amo nesse planeta e onde conheci Diego e Gustavo. Eu estava guiando um grupo do Onçafari, o primeiro cliente da empresa. Eles estavam produzindo conteúdo e conhecendo a equipe do projeto.

Por uma feliz coincidência fui escalado para guiá-los durante um dia na maior planície inundável do mundo. Conversamos um pouco e percebi que compartilhávamos a mesma paixão pela conservação e a mesma vontade de fazer a diferença por um mundo mais sustentável.

Eu (à esquerda, fora do carro) no dia que conheci o Diego (à direita, sem chapéu ou boné) e o Gustavo (autor da foto)

Sou biólogo e jornalista e fui repórter e editor de National Geographic Brasil por 5 anos. A conservação sempre fez parte do meu trabalho, mas desde que saí da revista essa pauta andava afastada da minha vida. Assim que voltei pra São Paulo me encontrei com o Diego e o Gustavo e, após uma rápida reunião, me juntei ao Bond.

Hoje meu coração bate mais forte porque eu respiro conservação todos os dias. Faço produção de conteúdo, com enfoque nos blogs dos nossos clientes, e sinto que cada linha que eu escrevo é cheia de significado. O trabalho e o prazer estão juntos novamente porque eu tenho a certeza de que a Greenbond faz a diferença para a construção de um mundo melhor.

Ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro é condenado por improbidade administrativa

By | Não categorizado | No Comments

Nesta quarta-feira (19/12) a Justiça condenou o Ex-secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, futuro Ministro do Meio Ambiente do próximo governo, por improbidade administrativa. Ricardo Salles, era investigado e acusado pelo Ministério Público de fraudar o processo do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê, durante seu mandato como secretário estadual de São Paulo.

Salles é acusado de diversas irregularidades no procedimento de elaboração e aprovação do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) da Várzea do Rio Tietê.  De acordo com o Ministério Público, ele teria modificado mapas elaborados pela Universidade de São Paulo (USP), alterado minuta do decreto do plano de manejo e promovido perseguição a funcionários da Fundação Florestal, com o propósito de beneficiar setores empresariais, em especial empresas de mineração e filiadas à Fiesp, segundo a matéria do G1.

Ricardo Salles, futuro ministro do Meio Ambiente. Fonte: Reprodução/Globo News

Segundo a denuncia, os citados agiram com intenção de “beneficiar setores econômicos, notadamente a mineração, e algumas empresas ligadas à Fiesp [Federação das Indústrias de São Paulo]”, e  “também foram modificados mapas elaborados pela Universidade de São Paulo a pedido da Fundação Florestal e a própria minuta de decreto do Plano de Manejo da mesma APA”.

Ainda cabe recurso ao futuro ministro, mas a pergunta que não cala é: Será que Bolsonaro manterá Salles como ministro, mesmo depois de assumir que não toleraria condenados da justiça em seu governo?

Aprovada a PROIBIÇÃO da caça comercial de baleias, mas caça científica continua permitida

By | Não categorizado | One Comment

Na manhã desta quinta-feira (13/09) foi aprovada por grande maioria (67%) a Declaração de Florianópolis, que mantêm e reafirma o banimento da caça comercial de baleias em águas internacionais.

Turistas observando baleias na costa brasileira

O documento proposto pelo Brasil, reafirma a moratória vigente desde 1986, que proíbe a caça comercial de baleias e permite apenas a caça para fins científicos e a caça de subsistência praticada por aborígenes em comunidades tradicionais em regiões específicas.

Já na manhã desta sexta-feira (14/09), foi votada a proposta de liberar a caça comercial de baleias, feita pelo Japão.

Após todos os países se pronunciarem, por um placar de 41 x 27 o projeto Japonês foi negado, garantindo que a caça predatória para fins comerciais continue banida!

 

A Declaração de Florianópolis

A aprovação da Declaração de Florianópolis é um marco importantíssimo para a conservação destes mamíferos. O documento reafirma a posição do Brasil a favor da conservação das baleias e faz duras críticas à caça comercial e científica, afirmando que:

“caça comercial não é mais uma atividade econômica necessária”

“caça com fins científicos não é mais uma alternativa válida para responder às questões científicas dada a existência de abundantes métodos de pesquisa não letais”.

Baleia jubarte avistada em águas brasileiras

O documento também propõem que os recursos da Comissão Internacional das Baleias (CIB) sejam destinados exclusivamente para conservação, e não mais para a caça.

 

O outro lado da moeda

Apesar do resultado positivo conquistado neste quinta-feira, outras duas decisões tomadas pela CIB esta semana geraram polêmica e não vão de encontro ao objetivo conservacionista.

Na quarta-feira (12/09), foi rejeitada a proposta de criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul.

Também na quarta-feira, a comissão aprovou a caça de 1.000 baleias para fins de subsistência em países como países como Estados Unidos, Rússia, Dinamarca (Groenlândia) e St. Vincent & Grenadines.

Baleia morta pelo principal navio baleeiro japonês, Yushin Maru

 

Os resultados da preservação

A trégua dos arpões tem trazido resultados muito positivos para a conservação das baleias. No Brasil, populações de baleias como a Jubarte e a Franca vem crescendo todos os anos.

Família de baleias-jubarte

Nesta temporada, 284 baleias franca foram vistas no litoral de Santa Catarina, batendo um recorde de avistamentos desde que a contagem começou a 31 anos atrás. Um recorde curioso que foi batido bem na época em que a Comissão Internacional de Baleias se reúne no litoral catarinense.

Família de baleias franca avistadas no litoral catarinense

Segundo a bióloga do instituto Australia, Karina Groch, a taxa média de crescimento anual da população de baleias é de 12% e isso está diretamente relacionado ao trabalho de preservação que é realizado há vários anos.

 

_________________________________

 

Por:

Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em manejo e conservação da fauna silvestre

Cofundador na GreenBond