Category

Mudanças Climáticas

Aquecimento global: ursos-polares famintos invadem arquipélago russo

By | Animais ameaçados de extinção, Aquecimento Global, Conservação, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas, Notícias | No Comments

Ursos-polares famintos reviram o lixo em busca de comida no arquipélago de Nova Zembla, na Rússia – Foto: The Sun/Reprodução

Ursos-polares invadiram e deixaram a pequena cidade de Belushya Guba, localizada no arquipélago de Nova Zembla, na Rússia, em estado de emergência. Os animais estavam famintos, reviravam lixeiras e vasculhavam prédios à procura de comida (veja o vídeo do The Guardian abaixo).

Mais de 50 ursos foram avistados na região, deixando os 2.500 moradores do vilarejo assustados e com medo de sair nas ruas e mandar seus filhos para a escola.

Os animais começaram a chegar em dezembro. Cercas foram colocadas ao redor de alguns locais para proteção. No entanto, os ursos não se intimidam mais com policias, cachorros e sirenes que eram utilizados para afastá-los anteriormente.

Especialistas foram enviados ao local para sedar os animais e retirá-los do vilarejo, já que a caça de ursos é proibida na Rússia, e a agência federal de Meio Ambiente negou autorizações para abatê-los. Porém, segundo as autoridades locais, no caso de todas as medidas falharem, o abate pode ser a única solução.

O urso-polar (Ursus maritimus) é considerado vulnerável pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês) e se tornou o grande símbolo na luta dos conservacionistas contra o aquecimento global – Foto: Schliebe, Scott/ Domínio público

Ursos-polares x Aquecimento global

Classificado como vulnerável segundo a Lista Vermelha de animais ameaçados de extinção da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês), o urso-polar sofre cada vez mais com o aquecimento global. Atualmente, o mar congela cada vez mais tarde e derrete cada vez mais cedo. Isso faz com que os animais tenham menos tempo para caçar focas, seu principal alimento.

Com menos tempo sob o gelo, os ursos são forçados a nadar distâncias cada vez maiores até encontrar uma foca descansando na superfície. Com isso, eles perdem mais energia caçando do que ganham ao se alimentarem e são forçados a procurar outras formas de se alimentarem. Esses desequilíbrio energético pode ser fatal e, se o degelo continuar, o destino da espécie pode ser a extinção.

Com dificuldades para conseguir caçar focas, ursos-polares podem morrer de fome – Foto: Andreas Weithpolar/ Creative Commons

Com objetivo de chamar a atenção para os desafios enfrentados pelos ursos-polares num Ártico cada vez mais quente, a Polar Bear International (Urso Polar Internacional) organiza o Dia Internacional do Urso-Polar (International Polar Bear Day), celebrado em 27 de fevereiro.

A ong estimula as pessoas a usar menos energia produzida por combustíveis fósseis porque reduzir as emissões de carbono pode retardar e até impedir o aquecimento global e salvar o gelo marinho que os ursos polares necessitam para caçar com eficiência.

Segundo relatório da ONU sobre as mudanças climáticas, é preciso reduzir nossas emissões de carbono ou as pessoas terão que enfrentar desastres naturais, desde secas e inundações até grandes tempestades. Ou seja, enfrentar o aquecimento global não é só benéfico para nós, mas é essencial para a humanidade.

Mudanças climáticas podem levar à extinção de 10% das espécies de anfíbios da Mata Atlântica

By | Mudanças Climáticas, Notícias | No Comments

Perereca-das-folhagens (Phyllomedusa rohdei), endêmica da Mata Atlântica – Foto: Renato Augusto Martins/CC BY-SA 4.0

Sapos rãs e pererecas endêmicas da Mata Atlântica estão em perigo. As mudanças climáticas podem levar à extinção até 10% das espécies de anfíbios do bioma em cerca de 50 anos. Os regimes de temperatura e chuva previstos para ocorrer entre 2050 e 2070 serão fatais para espécies que habitam pontos específicos da região e possuem menor adaptação à variação do clima.

Essa é a conclusão do artigo Expected impacts of climate change threaten the anuran diversity in the Brazilian hotspots (Impactos esperados das mudanças climáticas ameaçam a diversidade de anuros em hotspots brasileiros), publicado na revista Ecology and Evolution. O estudo fez um levantamento dos anfíbios do Cerrado e da Mata Atlântica, identificou as preferências climáticas de cada espécie nas diferentes áreas em que foram encontradas e traçou modelos para estimar se os locais com climas favoráveis para os animais irão expandir ou reduzir em 2050 e 2070.

Sapo pingo-de-ouro (Brachycephalus ephippiu), endêmico da Mata Atlântica – Foto: Renato Augusto Martins/CC BY-SA 4.0

Os pesquisadores analisaram 350 das 550 espécies encontradas na Mata Atlântica e 155 das 209 espécies do Cerrado e concluíram que 37 espécies da Mata Atlântica (10,6% do total) e 5 do Cerrado devem ser extintas entre 2050 e 2070. Dessas 42 espécies, apenas cinco estão ameaçadas, segundo a Lista das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção.

Os cenários previstos também sugerem que as mudanças climáticas podem ser responsáveis por uma homogeneização dos anfíbios do Cerrado. Isso significa que espécies mais generalistas – que se adaptam a habitats diferentes e suportam variações maiores de temperatura e umidade – devem expandir seus territórios.