Category

e-commerce

A importância da autossuficiência no terceiro setor: o e-commerce como fonte de renda

By | e-commerce, Marketing na Conservação | No Comments

Certamente você já ouviu várias vezes a afirmação de que as instituições do terceiro setor não tem fins lucrativos, certo? Também já deve ter se questionado se é correto, ou se é legal, incluir a venda de produtos nas suas atividades. Se não podemos ter lucro, não podemos ter vendas, não é mesmo?

Errado! Essa é uma dúvida que rodeia muita gente e vamos explicar o porquê a venda de produtos pode ser uma boa opção para a sua instituição!

De fato as ONGs não podem ter lucro. Isso significa que todo dinheiro que entra na instituição deverá ser utilizado para a manutenção e atividades das mesmas. Ou seja, no balanço final, tudo que entra, sai e o saldo final ficará zerado. 

Em muitas instituições a maior parte do recurso necessário para pagar contas, executar atividade, contratar funcionários, dentre outros gastos é proveniente de doações e eventos solidários, mas existe um lado negativo nessa história. 

Com toda a renda sendo proveniente de terceiros, a ONG não possui a tão falada auto sustentabilidade, ficando totalmente dependente dos parceiros e doadores. Caso ocorra alguma mudança inesperada nessa arrecadação, poderá ter suas atividades comprometidas e até mesmo paralisadas, pois sabemos que as contas não esperam.

Uma outra forma bastante comum de arrecadação, principalmente para projetos de conservação é através da aprovação de projetos em editais. Além de ser uma forma bastante trabalhosa e dos editais serem bastante concorridos, todo o recurso deve ser destinado a rubricas específicas do projeto submetido, não podendo ser utilizado para a instituição em si.

Uma ótima maneira de contornar essas arrecadações e que tem sido cada vez mais implementada pelas ONGs são os projetos de geração de renda. Esses projetos são focados na geração de receita para a instituição, principalmente através da venda de produtos ou serviços. 

As entidades sem fins lucrativos podem utilizar o comércio como forma de arrecadação de recursos para aplicação nos objetivos sociais de seu estatuto e esta prática é completamente legal.

Produção de camisetas do Projeto Tamar Fonte: Projeto Tamar

 

Vantagens de possuir sua própria fonte de renda

A geração de receita através da venda de produtos apresenta um grande auxílio à sustentação financeira da organização, provendo uma receita desvinculada  de projetos, as quais podem ser aplicados livremente, tanto no operacional como em investimentos da instituição. Convenhamos que todos nós sabemos quantos gastos extras podem surgir no dia a dia e ter um recurso disponível para isso é imprescindível. 

Além disso, existe grande um valor de marketing agregado as vendas, uma vez que normalmente os produtos levam a logo da instituição e acabam gerando uma maior visibilidade para a mesma.

Copos menos 1 lixo- WAITA Fonte: WAITA

Como escolher seus produtos

Já sabemos que vender produtos oferece várias vantagens, mas como escolher o que vender?

Primeiramente escolha produtos que tenham uma ligação com a organização e sua missão. Lembre-se que  junto com os produtos e serviços, se vende uma causa. É fundamental para o sucesso de vendas que os produtos sejam capazes de contar uma história. Aposte em produtos que levem uma mensagem, em etiquetas informativas e abuse da criatividade e inovação.

Outro fator que deve ser levado em consideração é que seu produto seja condizente com sua causa. É importante se preocupar com a origem de seu produto, com o material, com a linha de produção, com o tipo de embalagem, dentre outros fatores.

Se a sua instituição é conservacionista, por exemplo, opte por produtos ecologicamente corretos, favoreça pequenos comerciantes, favoreçam o empoderamento de mulheres e evite o uso desnecessário de descartáveis, inclusive nas embalagens.

Produto Onçafari Fonte: Onçafari

E-commerce

A aposta do momento para a venda de produtos são as lojas virtuais. 

Mesmo antes do COVID-19, pesquisas já apontavam a tendência da migração das lojas físicas para o digital. Além de apresentarem todas as ferramentas de vendas necessárias, o  e-commerce pode levar  a instituição a atingir um maior número de pessoas e expandir muito a área potencial de vendas.

2020 está apresentando uma mudança significativa no comércio global com uma forte tendência de que a maior parte das compras de varejo sejam feitas online. E esses dados, só irão aumentar.

 

Chaveiro da loja Pró-tapir Fonte: Pró-tapir

 

Depois de todos esses argumentos, você não vai mais perder tempo né? Selecione os produtos que são a cara da sua instituição, monte sua lojinha e se prepare para expandir seus horizontes.