Category

Datas comemorativas

Dia 11 de setembro: Dia do Cerrado, a caixa d´água do Brasil

By | Datas comemorativas | No Comments

No dia 11 de setembro é comemorado o dia do cerrado, um dia especial dedicado à reflexão e mobilização em sua defesa.

Mas o que exatamente precisa ser defendido? Quem não conhece bem o Cerrado, não tem ideia do tesouro que tem ali escondido.

Vem com a gente que vamos te contar tudinho.

 

Lobo-guará (Chrysocyon brachyurus). Foto: O eco

 

O que ó o Cerrado?

Cerrado é o nome dado às savanas brasileiras caracterizadas por árvores baixas de troncos retorcidos  folhas grossas, arbustos espaçados e gramíneas. A paisagem do Cerrado é bem característica e mesmo sem saber que era, acredito que você já teve o prazer de topar com esse lindo bioma.

 

Cachoeira do tabuleiro. Fonte: clubedecicloturismo.com.br

 

Digo isso porque o cerrado é o segundo maior bioma brasileiro com cerca de 2 milhões de km². Se estende em área contínua por 11 estados brasileiros: Bahia, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Piauí, São Paulo e Tocantins. 

 

 

Cerrado: a caixa d’água do Brasil

O Cerrado é considerado a  caixa d’água do Brasil.

Sua área abriga nascentes e leitos de rios das oito principais bacias hidrográficas dentre as doze que existem no país, revelando seu primeiro tesouro, de suma importância socioambiental.

Lista dos mais importantes rios que possuem nascentes no Cerrado:

Dados da WWF Brasil mostram que nove em cada dez brasileiros consomem eletricidade gerada por águas do Cerrado. Mesmo grandes usinas encontradas em outras regiões, como a hidrelétrica de Itaipu são abastecidas pelas águas das nascentes existentes no cerrado, e não sobreviveriam sem ele.  Mais do que sua importância pelos recursos hídricos, o bioma também é responsável pelo potencial hidrelétrico do país.

 

11 de Setembro: Dia Nacional do Cerrado | WWF Brasil

Foto: Aldem Bourscheit/WWF-Brasil

 

Biodiversidade oculta

Embora muitas vezes menosprezado,  o Cerrado é considerado um hotspot mundial – área que abriga grande diversidade biológica e espécies endêmicas, ou seja, espécies exclusivas deste bioma. 40% da flora do cerrado e 50% das abelhas são espécies endêmicas

As estimativas apontam que existem mais de 6 mil espécies de árvores, 800 de aves, cerca de 199 espécies de mamíferos, 180 espécies de répteis, 150 espécies de anfíbios, cerca de 1200 espécies de peixes e mais de 14 mil espécies de insetos, representando 47% da diversidade de insetos do Brasil. 

Tesouro número dois, revelado. A enorme biodiversidade que o Cerrado carrega.

 

Esquema do Cerrado com alguns exemplares da fauna e flora características. Fonte: Extraído de POR et al, 2005.

 

Mas se o Cerrado possui tantas riquezas. Porque um dia dedicado à reflexão e mobilização em sua defesa?

Aqui vão alguns fatos tristes:

  1. Ameaça de extinção de espécies

20% das espécies nativas e endêmicas não ocorrem em áreas protegidas e pelo menos 137 espécies da fauna estão ameaçadas de extinção.

  1. Exploração humana

O Cerrado é o segundo  bioma brasileiro mais explorado por atividades humanas.  A área com vegetação íntegra do bioma já foi reduzida a cerca de 20% de sua cobertura original e, infelizmente, essa porcentagem continua caindo.

  1. Poucas áreas protegidas

O Cerrado, junto com a Caatinga, é a área menos protegida pelo poder público. Apenas 8,21% de seu território é protegido por unidades de conservação.

 

Cerrado-brasileiro

Cerrado. Foto: http://www.ambientelegal.com.br/

 

Agora que conhecemos a riqueza do nosso Cerrado e todos os problemas que vem enfrentando, fica um questionamento: Não deveríamos estar investindo em mais ações para conservação do ambiente natural e de todos os serviços ecossistêmicos que ele oferece?

5 de setembro: Dia da Amazônia

By | amazonia, Conservação, Datas comemorativas, Desastre Ambiental, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas | No Comments

A Amazônia é um dos biomas mais valiosos de toda a humanidade abrigando a maior reserva natural do planeta. Possui cerca de sete milhões de quilômetros quadrados, sendo cinco milhões e meio de florestas. Abrange nove países (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Paraguai, Peru, Suriname e Venezuela), sendo que o território brasileiro guarda 60 % da floresta. 26% da sua área protegida também se encontra aqui.

Bioma Amazônico. Fonte: BBC

Biodiversidade 

Devido a sua grande variedade de ecossistemas, com características únicas e peculiares, a Amazônia é refúgio para cerca de 40 mil espécies vegetais, 427 espécies de mamíferos, 1.294 de aves, 378 de répteis, 400 de anfíbios e 3 mil de peixes de água doce, além das mais de 100 mil espécies de invertebrados. O bioma Amazônico possui cerca de 30% das espécies existentes no planeta, sendo o mais biodiverso de todos os biomas. Muitas dessas espécies são endêmicas da região e outras muitas se encontram ameaçadas de extinção.

Foto: conexaoplaneta

Rios voadores

A Amazônia é fundamental para o equilíbrio ambiental e climático do planeta e a conservação dos recursos hídricos. Os cursos d’água dos rios da Amazônia são grandiosos e fundamentais para a manutenção da vida silvestre, e não é somente a local, não.

A floresta ocupa uma área de aproximadamente 6,7 milhões de quilômetros quadrados — Foto: Arquivo TG

Cerca de 17 bilhões de litros de água da Bacia Hidrográfica Amazônica vão para os oceanos e, aproximadamente, 500 litros de água são produzidos diariamente por cada uma das árvores da floresta e lançados para atmosfera, formando os rios voadores, responsáveis pelas chuvas das regiões Centro-Oeste e Sudeste do Brasil.

Os  rios voadores são imensos volumes de vapor de água com cerca de três quilômetros de altura, algumas centenas de largura e milhares de extensão. Eles não podem ser vistos, por estarem em forma de vapor d’água, mas tem uma importantíssima função na regulação do clima. 

Fotografia aérea de uma pequena parte da Amazônia brasileira próxima a Manaus, Amazonas Imagem editada e redimensionada de Neil Palmer

Ameaças 

A Amazônia tem uma inegável importância ambiental para o nosso planeta.  São habitat de inúmeras espécies, fonte de matérias-primas alimentares, florestais, medicinais e minerais, regulam o clima dentre inúmeras outras contribuições.  Mesmo sabendo disso tudo, esse bioma tão rico tem sido constantemente ameaçada por inúmeras atividades humanas:

  • Extração de madeira
  • Mineração
  • Agricultura
  • Obras de infraestrutura
  • Queimadas
  • Desmatamento
  • Pecuária predatória

Vamos dar uma atenção maior neste momento ao desmatamento que bateu recordes no primeiro semestre de 2020. 

Árvores caídas em área desmatada da Amazônia em Itaituba, no Pará — Foto: Ricardo Moraes/Reuters/Arquivo

Desmatamento na Amazônia dispara mais em 2020

No primeiro semestre de 2020, dados do sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), indicaram alerta de devastação em 3.069,57 km² da Amazônia, aumento de 25% em comparação ao primeiro semestre de 2019. Em agosto do mesmo ano, o Inpe apresentou novos dados, indicando uma aumento de 34% no desmatamento nos últimos 12 meses.

Os dados indicam que o crime ambiental continua ocorrendo, mesmo no período em que o país enfrenta uma pandemia ocasionada pelo coronavírus.

Devido a esses dados assustadores, o Brasil vem enfrentando pressão do mundo inteiro para que os índices de desmatamento diminuam e, apesar do governo federal afirmar que o Brasil está buscando diminuir esse índice, os números mostram  um aumento na tendência de desmate. 

“Enquanto o Planalto se esforça para tentar enganar o mundo de que preserva a Amazônia, a realidade dos números revela a verdade: o governo Bolsonaro está destruindo a maior floresta tropical do planeta. Sob Bolsonaro, vivemos o pior momento da agenda ambiental de nosso país”, afirma Márcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, que reúne 26 instituições.

 

Hoje, mais do que comemorar toda a vida que esse bioma carrega, deixamos um convite para refletirmos sobre o rumo que estamos tomando. A Amazônia é nossa! é nosso dever cuidar e cobrar de nossos governantes medidas sérias de proteção aos nossos biomas.