Brasil é o 4 º maior produtor de lixo plástico no mundo

O antigo Lixão da Estrutural, em Brasília, era o maior depósito de lixo a céu aberto da América Latina. Foi fechado em 2018 para recebimento de resíduos domésticos, mas continua recebendo entulhos da construção civil - Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado/Creative Commons
O antigo Lixão da Estrutural, em Brasília, era o maior depósito de lixo a céu aberto da América Latina. Foi fechado em 2018 para recebimento de resíduos domésticos, mas continua recebendo entulhos da construção civil - Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado/Creative Commons

O antigo Lixão da Estrutural, em Brasília, era o maior depósito de lixo a céu aberto da América Latina. Foi fechado em 2018 para recebimento de resíduos domésticos, mas continua recebendo entulhos da construção civil – Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado/Creative Commons

O Brasil é o 4 º maior produtor de lixo plástico no mundo. É o que aponta o levantamento realizado pelo WWF com base nos dados do Banco Mundial. O país produz 11,3 milhões de toneladas e fica atrás apenas de Estados Unidos, China e Índia em matéria de produção. 91 % desse total, 10,3 milhões de toneladas, são coletadas (91%). Porém, apenas 145 mil toneladas (1,28%) são efetivamente recicladas, número muito abaixo da média global de reciclagem plástica (9%) e um dos piores índices indicados pela pesquisa.

A maior parte do lixo plástico brasileiro, 7,7 milhões de toneladas, vai para aterros sanitários e 2,4 milhões de toneladas de plástico são descartados de forma irregular, sem qualquer tipo de tratamento, em lixões a céu aberto.

O estudo analisou a relação com o plástico em mais de 200 países, e apontou que o Brasil produz, em média, aproximadamente 1 quilo de lixo plástico por habitante a cada semana.


“É hora de mudar a maneira como enxergamos o problema: há um vazamento enorme de plástico que polui a natureza e ameaça a vida. O próximo passo para que haja soluções concretas é trabalharmos juntos por meio de marcos legais que convoquem à ação os responsáveis pelo lixo gerado. Só assim haverá mudanças urgentes na cadeia de produção de tudo o que consumimos”, afirma Mauricio Voivodic, Diretor Executivo do WWF-Brasil, no site da instituição.

Escala global

Segundo a pesquisa do WWF, o volume de plástico que chega aos oceanos é de aproximadamente 10 milhões de toneladas por ano, o que equivale a 60 aviões Boeing 747 pousando nos mares e oceanos todos dias. Nesse ritmo, até 2030, haverá 26 mil garrafas de plástico no mar a cada km2 e mais de 104 milhões de toneladas de plástico poluindo nossos ecossistemas.

“Nosso método atual de produzir, usar e descartar o plástico está fundamentalmente falido. É um sistema sem responsabilidade, e atualmente opera de uma maneira que praticamente garante que volumes cada vez maiores de plástico vazem para a natureza”, afirma Marco Lambertini, Diretor-Geral do WWF-Internacional, no site da instituição.

A ingestão de plástico já foi registrada em mais de 240 espécies. A maior parte dos animais desenvolve úlceras e bloqueios digestivos que resultam em morte, uma vez que o plástico muitas vezes não consegue passar por seu sistema digestivo. Na foto, uma tartaruga Verde (Chelonia mydas) com um saco de plástico próximo a boca, no recife de Moore, Austrália. A sacola foi removida pelo fotógrafo antes que a tartaruga tivesse a chance de comê-la – Foto: Troy Mayne/ WWF/ Divulgação

O estudo também traz conclusões alarmantes: “O plástico não é inerentemente nocivo. É uma invenção criada pelo homem que gerou benefícios significativos para a sociedade. Infelizmente, a maneira com a qual indústrias e governos lidaram com o plástico e a maneira com a qual a sociedade o converteu em uma conveniência descartável de uso único transformou esta inovação em um desastre ambiental mundial.

Aproximadamente metade de todos os produtos plásticos que poluem o mundo hoje foram criados após 2000. Este problema tem apenas algumas décadas e, ainda assim, 75% de todo o plástico já produzido já foi descartado.”

Soluções possíveis

O estudo do WWF também aponta possíveis soluções para estimular a criação de uma cadeia circular de valor ao plástico. Os cuidados necessários propostos oferecem uma orientação para os setores público e privado, indústria de reciclagem e consumidor final, de modo que todos consumam menos plástico virgem (o plástico novo) e estabeleçam uma cadeia circular completa.

As principais sugestões do relatório seguem abaixo:

  • Cada produtor ser responsável pela sua produção de plástico – O valor de mercado do plástico virgem não é real pois não quantifica os prejuízos causados ao meio ambiente e também não considera os investimentos em reúso ou reciclagem. É necessário haver mecanismos para garantir que o preço do plástico virgem reflita seu impacto negativo na natureza e para a sociedade, o que incentivaria o emprego de materiais alternativos e reutilizados.

    ●      Zero vazamento de plástico nos oceanos – O custo da reciclagem é afetado pela falta de coleta e por fatores como lixo não confiável, ou seja, misturado ou contaminado. As taxas de coleta serão maiores se a responsabilidade pelo descarte correto for colocada em empresas produtoras dos produtos de plástico e não apenas no consumidor final, uma vez que serão encorajadas a buscar materiais mais limpos desde seu design até o descarte.

    ●      Reúso e reciclagem serem base para o uso de plástico – A reciclagem é mais rentável quando o produto pode ser reaproveitado no mercado secundário. Ou seja, o sucesso desse processo depende de que valor esse plástico é negociado e seu volume (que permita atender demandas industriais). Preço, em grande parte, depende de qualidade do material, e essa qualidade pode ser garantida quando há poucas impurezas no plástico, e quando ele é uniforme em geral, oriundo de uma mesma fonte. Um sistema de separação que envolva as empresas produtoras do plástico ajuda a viabilizar esta uniformidade e volume, ampliando a chance de reúso.

    ●      Substituir o uso de plástico virgem por materiais reciclados. Produtos de plástico oriundo de uma única fonte e com poucos aditivos reduzem os custos de gerenciamento desses rejeitos e melhoram a qualidade do plástico para uso secundário. Por isso o design e o material de um produto são essenciais para diminuir esse impacto, e cabe às empresas a responsabilidade por soluções. “Criar uma cadeia circular de valor para o plástico requer melhorar os processos de separação e aumentar os custos por descarte, incentivando o desenvolvimento de estruturas para o tratamento de lixo”, afirma Gabriela Yamaguchi, Diretora de Engajamento do WWF-Brasil, no site da WWF.

Para saber mais faça o download do estudo completo em português https://promo.wwf.org.br/solucionar-a-poluicao-plastica-transparencia-e-responsabilizacao?_ga=2.237901189.465206353.1553859541-1926107061.1528726091

Leave a Reply