All Posts By

Letícia Amado

GreenBond: 2 anos da viagem mais intensa de nossas vidas!

By | GreenBond | No Comments

Hoje, 18 de junho, a GreenBond Conservation completa 2 anos de existência! Foram 2 anos de muitas conquistas comemoradas e desafios superados; fizemos amigos, encontramos parceiros de trabalho e construímos uma irmandade ainda maior entre nós. Hoje somos uma família!

 

📍 PONTO DE PARTIDA

Neste mesmo dia, em 2018, iniciávamos efetivamente as atividades da GreenBond. Na época, a empresa contava apenas com seus fundadores na equipe interna, o veterinário e especialista em marketing digital Diego Arruda e o biólogo Gustavo Figueirôa. Ambos possuem uma bela bagagem técnica sobre manejo de fauna, conservação e biodiversidade e, a partir daquele ano, decidiram mergulhar de cabeça no universo do marketing e comunicação. Um casamento que tinha tudo pra dar certo!

Os primeiros trabalhos contaram também com a participação e cooperação de um parceiro muito especial: o Onçafari. Eles foram nosso primeiro cliente e depositaram em nós um voto de confiança que rendeu excelentes frutos ao longo dos anos. Aprendemos e crescemos juntos, então seremos eternamente gratos à organização. 

 

📍 COMPANHEIROS DE TRAJETÓRIA

Ao longo de nosso percurso, firmamos parcerias que ficarão para toda a vida. Algumas profissionais, na labuta do dia a dia, mas todas elas também pessoais. Fizemos grandes amigos e unimos uma rede de pessoas do bem, que lutam pela conservação da biodiversidade, assim como nós. Esse é o nosso maior orgulho.

Logo no início, tivemos a imensa ajuda de nossos conselheiros, que seguem nos orientando e tornando esse sonho possível até hoje! São eles: 

  • Marco de Biasi

  • Laurent Serafini

  • Marcelo Molina

De 2018 pra cá, tivemos a honra de trabalhar ao lado de ótimas instituições ambientais:

  • Onçafari

  • Projeto Tatu-Canastra

  • SOS Pantanal

  • Biofaces

  • Instituto Mamirauá

  • Documenta Pantanal

  • Pró-carnívoros

  • Pantanal Jaguar Camp

Além dos projetos de conservação, também criamos um modelo de negócio colaborativo. Ou seja, estabelecemos parcerias essenciais com empresas e profissionais da área para que os serviços sejam executados com expertise e excelência. São eles: 

  • Nação Design

  • Artery

  • Seppia Geração de Conteúdo

  • Nindoo

  • ABETA (Associação de Ecoturismo e Turismo de Aventura)

  • Leonardo Perez

  • Vivian Martinez 

  • Instituto Waita

Com o aumento das demandas, recebemos também alguns reforços no time interno da GreenBond: os publicitários Letícia Amado e Raphael Parmezani

Agradecemos a todos os companheiros que fortalecem diariamente o nosso propósito de conservação da biodiversidade! Muito obrigado!

 

📍 DESTAQUES DA VIAGEM

Apesar de ser uma empresa relativamente nova, com pouco tempo de caminhada, já tivemos muitos cases de sucesso para comemorar! Nos dedicamos fortemente a cada vertente de trabalho da GreenBond: desde sites e mídias sociais, até a participação em eventos e até o desenvolvimento de expedições no Brasil.

Abaixo, você confere os pontos altos da nossa trajetória: 

 

Jaguar Parade Brasil

Ao lado de nossos parceiros Artery, Onçafari e SOS Pantanal, nós tivemos a oportunidade de participar da maior exposição a céu aberto do mundo: a Jaguar Parade Brasil.

A intervenção artística criada pela Artery, “fez barulho” na cidade de São Paulo, em 2019, e ajudou a divulgar uma importante mensagem central: a conservação da onça-pintada (Panthera onca). Além disso, o fenômeno artístico também mostrou-se uma ferramenta poderosíssima para a captação de recursos, uma vez que metade do valor arrecadado com o leilão das onças foi convertido para projetos atuantes na conservação da espécie (entre eles, o Onçafari e o SOS Pantanal).

Em nosso blog, contamos de forma mais detalhada essa experiência e o mais importante, divulgamos os resultados surpreendentes da ação que tomou conta das ruas paulistanas! 

 

Expedição Pantanal 2019

Em outubro de 2019, concretizamos um dos maiores projetos realizados ao lado do SOS Pantanal: a Expedição Pantanal. Foram 25 dias viajando ao lado deles. Acompanhamos a visita aos principais projetos de conservação e pontos de ecoturismo da região,  com o intuito de aproximar laços e auxiliar na promoção do desenvolvimento sustentável do Pantanal. Ao todo, foram mais de 5.000 km percorridos por terra, mais de 600 km percorridos por rios, 11 municípios, 20 empreendimentos ecoturísticos e 11 projetos de conservação visitados!

Para saber mais detalhes, acompanhe o blog do SOS Pantanal.

 

The Wall – Caldeirão do Huck

Em abril deste ano, também pudemos representar nosso parceiro Onçafari no quadro The Wall, do Caldeirão do Huck/TV Globo. O Gustavo Figueirôa, junto do Leonardo Gomes (diretor-executivo do Onçafari) se arriscaram na brincadeira com o intuito de arrecadar fundos destinados ao reparo dos danos causados pelo incêndio no Pantanal em setembro de 2019!

Além do prêmio em dinheiro, a brincadeira ainda proporcionou uma exposição de excelente resultado na mídia. A partir do programa, conseguimos aumentar consideravelmente o número de seguidores e o engajamento nas redes sociais do Onçafari, bem como realizar uma campanha de sucesso para doações neste período.

 

DeepWild 

Um dos últimos projetos que lançamos e do qual temos muito orgulho é a DeepWild. Trata-se de um software de Inteligência Artificial (IA) que analisa, identifica e organiza vídeos de vida selvagem coletados durante estudos de fauna, automatizando o processo de triagem de dados. 

A ferramenta é fruto de uma parceria entre nós – trazendo um conhecimento técnico e de mercado para a elaboração da ferramenta; a Nindoo – desenvolvendo a tecnologia de inteligência artificial em si e o Onçafarii – fornecendo os vídeos e levantando os problemas que seriam importantes de serem solucionados.

 

Wildingtone

Outro projeto recente que já está sendo um sucesso é a Wildingtone. Inspirada na natureza e no sistema Pantone, a Wildingtone apresenta uma forma de traduzir a beleza selvagem em comunicação visual.

De forma exclusiva, desenvolvemos produtos com padrões e cores baseados na vida selvagem. A venda é realizada pelas redes sociais, por enquanto, e você já pode fazer o seu pedido! Canecas, bonés, máscaras de proteção, chinelos e moleskines são alguns dos produtos já desenhados e desenvolvidos pela marca. 

 

PNUMA

No último dia 5 de junho, realizamos uma live junto do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em parceria com o SOS Pantanal. A ideia da ação foi promover um debate sobre a biodiversidade e possíveis soluções para frear a perda da fauna e flora, em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente.

Trabalhando ao lado do SOS Pantanal, nós convidamos representantes de grandes projetos de conservação: Instituto Arara Azul, Onçafari, Projeto Tamanduá, Projeto Ariranhas e do próprio PNUMA, que trouxeram excelentes reflexões ao debate, mediado pela repórter Cláudia Gaigher. A live foi um grande sucesso e marcou o início de uma preciosa parceria com a ONU.

Neste caso, é importante ressaltar que as mídias sociais do SOS Pantanal tiveram um papel fundamental na escolha da parceria. A ONU se interessou pelo conteúdo relevante de conservação compartilhado por nós nas redes do SOS e, a partir delas, decidiu nos convidar para fazer parte desta ação.

 

📍 TURBULÊNCIAS NO MEIO DO CAMINHO

“Reinvenção” foi palavra de ordem que nos permitiu superar todos os obstáculos do caminho. Por disponibilizar soluções de marketing das mais diversas vertentes – online e offline -, nós tivemos a oportunidade de estudar, explorar e nos aprofundar em cada um dos serviços. E é exatamente essa multiplicidade que continua nos mantendo ativos e cheios de trabalho, até mesmo em tempos de pandemia. 

Recentemente, fizemos uma análise sobre o papel do marketing nesse momento imprevisível que o mundo está vivendo. Paramos, pensamos, debatemos, refletimos e chegamos a uma importante conclusão: nosso trabalho não poderia parar!

 

📍 O DESTINO FINAL

Atuar por um propósito nos faz muito mais fortes e resilientes. Nosso objetivo vai muito além das métricas analisadas por uma equipe financeira. Para nós, sucesso é sinônimo de vida. Por isso, trabalhamos diariamente sonhando com o destino final: a conservação total da biodiversidade, dos recursos naturais e o mais importante, a nossa própria sobrevivência.

Agradecemos novamente a todos que fazem dessa viagem uma realidade. 

Estamos juntos!

 

Fakebook.eco: luta contra fake news ambientais ganha aliado de peso

By | Não categorizado | No Comments

Aparentemente, as fake news que envolvem o meio ambiente estão com os dias contados! O Fakebook.eco, uma iniciativa do Observatório do Clima (OC), promete combater a desinformação ambiental por meio de uma plataforma novíssima na internet. Trata-se de uma união entre dois projetos mais antigos: o Fakebook, feito em colaboração pelo OC, Greenpeace e o ClimaInfo em 2019; junto do Agromitômetro, outra iniciativa de verificação de informações ambientais do OC, que existe desde 2018. 

 

MITO OU VERDADE? 

A plataforma surgiu com o intuito de unir e sistematizar informações sobre os principais mitos, distorções e mal-entendidos acerca do meio ambiente no Brasil. Os organizadores deixam bem claro, desde o início, que não pretendem trazer e/ou impor verdades absolutas, mas se comprometem com a junção do método jornalístico de verificação de fatos e as melhores referências científicas disponíveis. Dessa forma, esperam disseminar informações mais claras e verídicas.

As duas principais vertentes do site são: “Falácias frequentes”, onde desmistificam alguns erros constantes sobre o tema, como por exemplo, a teoria errônea de que o clima da Terra sempre mudou. Os assuntos são divididos em: clima, florestas, uso da terra e energia. 

Foto: Nicolaj Larsen/Shutterstock

A outra vertente é o “Verificamos”, área do site na qual a plataforma expõe suas verificações rápidas das declarações de autoridades ou fake news ambientais. Um exemplo é a constatação de que o programa de pagamento por serviços ambientais anunciado pelo governo Bolsonaro não é o “maior do mundo”

 

COLABORAÇÃO É A ALMA DO NEGÓCIO

O melhor de tudo é que a plataforma é colaborativa! Você pode ajudar no combate à desinformação sugerindo algumas pautas ou enviando notícias para verificação. Há uma página dentro do site que recebe propostas do público sobre conteúdos ambientais estranhos achados na internet,  informações de cunho duvidoso recebidos daquele tio no grupo de zap da família ou discursos possivelmente distorcidos de autoridades. 

Outra forma de ajudar é comunicando possíveis erros nas verificações. Por mais que a intenção seja a melhor possível, todos estão sujeito à falhas. Por isso, a plataforma também disponibiliza um formulário para que o público possa indicar erros nos textos produzidos pela equipe do Fakebook.eco.

 

COMO TUDO COMEÇOU? 

Nossos leitores envolvidos com música já devem estar familiarizados com o termo “fake book”. Trata-se de compilações das informações básicas de algumas canções – acordes, melodia e letra – para que os profissionais pudessem improvisar livremente a partir delas. Eram muito tradicionais entre os músicos de jazz do século XX e lhes garantiam sucesso em qualquer apresentação musical. 

De acordo com declarações da equipe expostas no site, “Quando nós começamos a checar as fake news mais frequentes do governo de Jair Bolsonaro na área ambiental, não imaginávamos que o resultado seria um libreto de 35 páginas. Ele acabou ganhando o nome de “Fakebook” – um trocadilho com seu conteúdo – porque também fornecia um roteiro mínimo a jornalistas, investidores, membros de governos e organizações internacionais que precisassem lidar com o discurso do governo sem ter conhecimento prévio da situação ambiental do Brasil.”

O site foi lançado no último dia 8 de junho, aniversário do atual ministro do meio ambiente Ricardo Salles. A “coincidência” foi estrategicamente pensada para provocar a autoridade que, ao invés de proteger nossa natureza, se mostra cada dia mais contra os princípios da conservação ambiental. 

Nós, da GreenBond, admiramos e apoiamos a iniciativa. Acreditamos no poder da disseminação de informação correta para combater as adversidades ambientais. Estamos juntos!

Marketing aplicado na conservação em tempos de coronavírus

By | Conservação, Educação ambiental, GreenBond, Marketing na Conservação, Meio Ambiente | No Comments

Caos. Essa é, provavelmente, a primeira palavra que vem à nossa mente quando pensamos em coronavírus. Notícias ruins aparecem de todos os lados: saúde, educação, segurança, economia e sociedade. O mundo contemporâneo está vivendo experiências nunca antes vistas, sofrendo consequência impensáveis e sendo obrigado a se reinventar. Então, no meio de tantos acontecimentos negativos, essa é a notícia boa: o mundo está sendo obrigado a se reinventar.

 

Foto: Stephanie Keith/Getty Images

 

O que pode ser mais a cara do marketing do que a necessidade de “reinvenção”? O que nós, profissionais da área, aprendemos o tempo todo? Aprendemos a inovar! Pois bem, é em momentos como este que o nosso dom floresce, nossas estratégias se fortalecem e os resultados ganham significados ainda mais importantes. Com o marketing aplicado na conservação não seria diferente. 

 

Olhos voltados aos animais silvestres  

 

Infelizmente, a origem do COVID-19 está muito mais atrelada à não conservação da fauna do que gostaríamos. As hipóteses mais debatidas são pautadas em experiências que envolvem o consumo de animais silvestres. Entre eles: morcego, pangolim, etc. Segundo algumas – ou muitas – fontes científicas, a ingestão direta desses animais pode ter ocasionado a contaminação de seres humanos na China, visto que são iguarias apreciadas na culinária local. O que antes era um problema regional, acabou tomando proporções exacerbadas e tornou-se uma pandemia. 

 

Foto: REUTERS/Kham/File Photo/Reuters

 

Apesar de ser um acontecimento bastante triste, ele trouxe à tona um assunto pouco visto e que precisa, sim, ser debatido: a caça e o tráfico de animais silvestres. Infelizmente, os homens precisaram sentir na pele os riscos desta prática para dá-la um pouco mais de atenção. É diante deste cenário que o marketing, principalmente focado na conservação, se faz necessário. A divulgação da mensagem, informação e educação ambiental caem como uma luva para a situação.  

Os animais selvagens existem para viverem livres na natureza, não para serem caçados, exibidos como troféu e muito menos apreciados na culinária. Os seres vivos e ecossistemas precisam coexistir de forma a respeitar seu ciclo natural. Qualquer interferência indevida pode causar grandes estragos. É essa mensagem que a comunicação deve disseminar. 

 

Fortalecimento do digital

 

Apesar de parecer o fim do mundo, momentos críticos também afloram um sentimento lindo dentro dos seres humanos: a solidariedade. Para salvar uns aos outros, boa parte da população mundial assumiu o compromisso de ficar em suas casas, diminuindo as chances de propagação do vírus. Mas, mesmo que fique cada um na sua, a comunicação entre pessoas não pode simplesmente desaparecer. Por isso, todos aumentamos consideravelmente o uso da internet. Invenção, essa, que nos permite sentir um pouco mais conectados aos que estão longe.

 

Foto: Reprodução

 

Já que estão todos na internet, qual é a melhor forma de disseminar a minha causa? Isso mesmo, na internet! O momento é ótimo para apostar em marketing digital e explorar ferramentas que antes não faziam tanto sentido. Informação relevante é sempre bem-vinda, principalmente quando ela aparece “na nossa cara” sem precisar de esforço. 

Se possível, transmita mensagens leves, positivas e entregue ao seu público um momento de “respiro” diante de tanta notícia ruim. Frequência e consistência também são fundamentais. 

 

Captação de recursos 

 

Dentre todas as janelas de oportunidade abertas, uma mais antiga acabou se fechando temporariamente: a captação de recursos. A crise na economia pode prejudicar significamente o setor de doações nos projetos de conservação. Será preciso repensar os métodos de arrecadação, o destino do capital obtido e aparar algumas arestas. 

No entanto, ao contrário do que se pensa, a comunicação não deve ser uma dessas arestas aparadas. Ela pode parecer menos importante num primeiro momento, mas se analisarmos com racionalidade, é ela quem vai manter seu projeto de pé para arrecadar recursos suficientes quando a economia se reerguer. Manter uma comunicação sólida, frequente e impactar seu público-alvo com informações relevantes durante esse tempo, vai fortalecer sua causa na mente das pessoas. Quando o caos terminar e eles sentirem que precisam fazer mais pelo mundo, lembrarão de você na mesma hora.  

Enfim, a necessidade de reinvenção está em alta, todos – ou pelo menos a maioria – estão com tempo o suficiente para repensar alguns hábitos de suas vidas. A busca por um propósito e por formas de melhorar o mundo se faz cada dia mais forte. Essa é a nossa chance de mostrar a eles que a conservação pode E DEVE virar prioridade. Agarre a oportunidade com unhas e dentes!

O futuro do meio ambiente: World Economic Forum

By | Aquecimento Global, Educação ambiental, Eventos de Conservação, GreenBond, Marketing na Conservação, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas, Notícias | No Comments

O que é?

A World Economic Forum (WEF) é uma organização sem fins lucrativos que reúne os principais líderes empresariais e políticos de todo o mundo para moldar e discutir questões urgentes enfrentadas, incluindo saúde e meio ambiente. O evento acontece no início de cada ano. A última reunião aconteceu entre os dias 21 e 24 de janeiro de 2020 em Davos, na Suíça. Nela, participaram cerca de 829 oradores públicos e foram discutidos 7 temas, segundo o próprio site da World Economic Forum.

 

Foto da World Economic Forum/Davos, Suíça

 

Discussões

Como já estava previsto, o assunto ‘meio ambiente’ prevaleceu no debate do fórum. Eventos marcantes como o discurso de Donald Trump e da ativista sueca Greta Thunberg foram destaques. O presidente dos EUA, Donald Trump, se comprometeu à proposta de plantar ‘3 trilhões de árvores’, mas não foi além. Em seu discurso, ressaltou que “Precisamos rejeitar os profetas perenes da destruição”.

Em contrapartida, Greta Thunberg manteve seu discurso de 2019, dizendo que “Plantar árvores é bom, mas não só isso”. “É preciso parar de inflamar as chamas de nossa casa”, ressaltou a jovem ativista. Citou os incêndios da floresta amazônica também.

O atual ministro da economia, Paulo Guedes, participou do painel sobre o futuro da indústria e afirmou que “Aumentar os investimentos do país, prevalecendo a qualidade de vida da população, é uma preocupação do governo”. Em um de seus discursos, disse que “As pessoas destroem a natureza em busca de alimento”. Enfatizou também a adesão de compras internacionais, abrindo o mercado para empresas internacionais interessadas em participar de licitações públicas.

Não é uma decisão política ou um planejamento de plantar árvores que resolveria todo problema ambiental do mundo. Tanto empresas quanto pessoas precisam estar conscientizadas sobre a criticidade e o senso de urgência ambiental que estamos enfrentando. Essas mudanças precisam começar pelo governo, mas é algo colaborativo também, ou seja, é preciso mudar a cultura das pessoas e empresas a favor do meio ambiente.

Temas abordados no #wef20

Os 7 temas abordados foram: além da geopolítica, futuros saudáveis, sociedade e futuro do trabalho, como salvar o planeta, melhores negócios, economias mais justas e tech for good, descritos abaixo:

Além da geopolítica: assunto muito importante, que é a colaboração global consumada, ou seja, as nações terão que mudar e estamos ‘todos juntos nisso’. Por exemplo, no Acordo de Paris, para limitar as mudanças climáticas, ou quando reverteram o esgotamento da camada de ozônio.

Futuros saudáveis: ressalta sobre gastos globais que aumentaram na área da saúde. Problemas como saúde mental e físicas foram discutidas. Apesar do salto da ciência médica, ainda possuem um sonho através da tecnologia: a medicina de precisão. Como identificamos e resolvemos os principais desafios da saúde, garantindo um acesso justo a todos?

Sociedade e futuro do trabalho: mostra a tecnologia a favor do conhecimento e das facilidades que proporcionou para a humanidade. Mas além disso, questiona sobre a Quarta Revolução Industrial e seu longo e prejudicial período de deslocamento. Podemos ver isso chegando, sabemos que teremos que refazer, então como podemos resolver isso?

Como salvar o planeta: um assunto tão delicado e urgente chega à pauta do evento. O planeta está pedindo socorro. Estamos perdendo espécies, a Terra está ficando mais quente, o gelo está derretendo, os oceanos estão subindo e se enchendo de plástico, além dos gases de efeito estufa. Por onde começar?

Melhores negócios: aborda a mudança de pensamento das empresas, no âmbito tecnológico e social, para que se tornem organizações sustentáveis e inclusivas. O que uma empresa inteligente deve fazer?

Economia mais justas: sobre o aumento na desigualdade entre as nações, além do agravante de cenário causado pelas novas tecnologias. Como remodelamos as economias para que o crescimento beneficie muitos e não apenas os poucos e, assim, garanta que o extraordinário mecanismo de desenvolvimento humano que construímos seja sustentável?

Tech for good: debate a velocidade das novas tecnologias, questiona o que é ser humano e as mudança de dilemas éticos. Como nos reunimos para concordar com as regras sobre fatores como: bebês geneticamente modificados, os robôs da guerra e os algoritmos que determinam nossas chances de vida?

Consequências para o futuro

Não é possível prever o futuro, mas podemos especular algumas situações de acordo com as ações e decisões tomadas. Não é preciso ser especialista para entender que os países buscam interesses para si mesmos. Tudo que possa impactar na economia de um país, não é bom. Algumas mudanças radicais a favor do meio ambiente, além de uma mudança cultural, exige iniciativas de empresas. Empresas e indústrias de diversos setores são, sim, causadores da destruição do meio ambiente. Mas por quê? A mudança que precisa acontecer de dentro de uma indústria química, por exemplo, gera gasto. Se não existe uma lei ou alguma decisão governamental para que essas mudanças aconteçam, não são árvores que vão resolver o problema do planeta.

Ativistas como Greta Thunberg são essenciais para chocar e, por meio da mídia, mostrar para a população a realidade que estamos enfrentando. Esperamos que no decorrer deste ano, mudanças aconteçam.

 

Greta Thunberg no fórum/Foto do site ‘The World Economic Forum’

Imersão no maior projeto de conservação da Amazônia

By | Conservação, GreenBond, Marketing na Conservação, Meio Ambiente, Parques Nacionais, Projetos de conservação | No Comments

Entre os dias 14 e 21 de janeiro, a GreenBond realizou uma viagem para conhecer um dos maiores projetos de conservação da Amazônia: o Instituto Mamirauá. Nosso objetivo era mergulhar de cabeça no projeto e vivenciarmos o dia a dia do nosso parceiro, a fim de buscar as melhores alternativas para trabalhar em conjunto no ano de 2020.

Nosso veterinário e especialista em marketing, Diego Arruda, no Instituto Mamirauá. (Foto: Arquivo pessoal – Diego Arruda)

 

O projeto

 

O projeto foi criado em abril de 1999 e recebeu o nome de Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM). O curioso é que a palavra Mamirauá tem origem indígena e significa ‘filhote de peixe boi’, o que também dá nome à Reserva Mamirauá.  

A Organização Social é fomentada e supervisionada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Desde que foi criada, sempre desenvolveu seus projetos  por meio de programas de pesquisa, manejo de recursos naturais e desenvolvimento social.

Seu objetivo é aplicar a ação de ciência, tecnologia e inovação na adoção de estratégias e políticas públicas de conservação e uso sustentável da biodiversidade amazônica. Além disso, abrange na aplicação e consolidação de modelos para o desenvolvimento econômico e social de pequenas comunidades ribeirinhas.

 

Principais linhas de trabalho

 

A IDSM possui uma linha de pesquisa que foi criada em 2004, com o objetivo de reunir pesquisadores, estudantes e técnicos. Esses grupos de pesquisa são divididos em: Análise Geoespacial, Arqueologia, Primatas, Ecovert (ecologia de vertebrados), Peixes, Felinos, Mamíferos Aquáticos, Ecologia Florestal, Inovação, Territorialidades, Quelônios e Jacarés.

Você pode aprofundar o conhecimento em cada uma das frentes por meio do site institucional.

 

Áreas de atuação

 

Com o intuito de ampliar a atuação em mais áreas, nos últimos anos, o Instituto Mamirauá vem se concentrando inicialmente nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e Amanã, no estado do Amazonas, seja por meio da execução de atividades em outras áreas da Amazônia, seja pela replicação dos métodos de conservação implementados na região. Uma reserva funciona como uma área de conservação protegida pela legislação brasileira, com grande importância ecológica, com ecossistemas ricos e complexos. 

Todas as atividades desenvolvidas em Mamirauá e Amanã funcionam como grande experimento de conservação e desenvolvimento social sustentável.

 

A viagem

 

O que rolou durante esses 7 dias? Nossa ida teve a intenção de consolidar a parceria para os próximos dois anos. Além de conhecer as dependências da Instituição, analisar os grupos de trabalho e consolidar os objetivos, principalmente em relação à captação de recursos para 2020. Nós também pudemos conhecer um pouco mais desse bioma tão encantador.

 

Na foto estão: Glauco (guia da pousada), Deuzanir (gerente da pousada) e Diego

 

A Amazônia é capaz de proporcionar uma verdadeira experiência antropológica. Além de vivenciar e apreciar a biodiversidade local, nós percebemos o quão interessante pode ser o aprofundamento nos modos de vida da população amazonense. Ao conhecer a relação do Instituto com o seu povo, nós conseguimos traçar estratégias ainda mais efetivas para a comunicação do projeto. 

Já no município de Tefé, onde está localizada a sede do Instituto, fizemos uma visita na prefeitura da cidade e fomos muito bem recebidos. O desenvolvimento sustentável da região precisa unir políticas públicas, projetos/ações socioambientais e a população. Por isso, a importância de manter os laços sempre bem apertados.  

Agora, falando sobre o cliente. Nossa missão nesta parceria com o Mamirauá é trabalhar, principalmente, a captação de recursos. Aliado à comunicação, os esforços de captação arrecadam fundos para que o projeto continue atuando com efetividade na conservação da Amazônia. Presencialmente, foi possível alinhar as expectativas e planejar melhor nossas ações de arrecadação em 2020. 

Os resultados de 2019 são nosso melhor guia de boas práticas, por isso fizemos questão de apresentá-los à equipe do Mamirauá. Com tempo suficiente para conseguir uma amostra de dados, nós pudemos apresentar ao Instituto uma análise embasada e cases de sucesso repletos de insights para as próximas ações. O começo de qualquer trabalho deve ser sempre visto como um fase de testes, onde observamos o que pode ou não funcionar para o parceiro a ser trabalhado.

 

Diego Arruda apresentando os resultados de 2019 e a GreenBond à equipe do Mamirauá. (Foto: Arquivo pessoal – Diego Arruda)

 

Durante nossa estadia, também pudemos conhecer o Projeto Providence. Ele surgiu na Reserva Mamirauá, com o intuito de auxiliar, monitorar e registrar a vida animal da área. Todos esses dados são enviados para uma equipe responsável por desenvolver pesquisas e acompanhar os animais estudados, gerando maior conhecimento científico sobre a fauna local.

Gostaríamos de agradecer à toda equipe do Instituto Mamirauá pela experiência incrível! Para nós, é muito gratificante poder trabalhar em conjunto com o maior projeto da conservação da Amazônia. Muito obrigado!

Nova lei proíbe o fornecimento de produtos plásticos em São Paulo

By | Aquecimento Global, Conservação, Educação ambiental, Meio Ambiente, Notícias | No Comments

Mais uma vitória para o meio ambiente! Ontem (13/01), em São Paulo, foi sancionada a lei que proíbe o fornecimento de plásticos descartáveis em estabelecimentos comerciais. São Paulo se uniu à outras cidades do Brasil e do mundo que são a favor do combate à poluição plástica. Os estabelecimentos terão bastante tempo para se adequarem à nova lei, que entrará em vigor dia 01/01/2021. Os descartáveis deverão ser substituídos por similares fabricados por material biodegradável, compostável ou reutilizável. Essa medida vale para estabelecimentos em geral, como: restaurantes, bares, padarias, hotéis, buffets e casas de festas infantis, clubes noturnos, salões de dança, eventos culturais ou esportivos.

Foto: Rich Carey/Shutterstock

O que muda com a lei?

Já passou da hora de nos preocuparmos com o plástico, um dos maiores problemas ambientais. Segundo a subprefeitura, o material corresponde a cerca de 17% de resíduos que vão parar em aterros sanitários. Agora, imagina essa quantidade no país todo ou no mundo todo? Sim, é muito plástico! A lei, além de favorecer a luta pelo meio ambiente, incentiva outros estados a aderirem à causa, pelo fato de ser sancionada na maior cidade do país. A ideia é que acabe se tornando uma luta nacional, uma ação popular. Com isso, pessoas e empresas deverão se habituar com a nova lei, pois trata-se de uma mudança cultural.

Segundo o prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, a lei que proibiu os canudos plásticos, sancionada em junho de 2019, preparou a população para novos avanços. “Essa sanção social vem com uma mudança de padrão para evitar a explosão dos gases de efeito estufa presentes nos aterros sanitários”, destacou o prefeito.

Sendo assim, caso a lei não seja cumprida, a primeira instância será de advertência e intimação para regularizar a atividade, até multa e fechamento administrativo do estabelecimento, após sexta atuação.

 

Qual o nosso papel como sociedade?

Precisamos nos adaptar, isso é um fato. Essa mudança cultural precisa acontecer o quanto antes, pois está tarde e já estamos sofrendo com as consequências de tudo isso. A lei, que obriga os comércios a seguirem a nova legislação, pode ser o pontapé para a conscientização. Essa educação ambiental não serve somente para plásticos descartáveis, mas também para analisarmos o uso desse material em outras ocasiões. E você, o que está fazendo para ajudar o meio ambiente?

Foto: Juni Kriswanto/AFP

O que esperar de 2020?

By | GreenBond | No Comments

Nosso primeiro ano completo de atuação foi incrível! Nos trouxe ótimos parceiros, ações e resultados, como você viu em nossa retrospectiva

Para 2020, esperamos continuar florescendo as sementes plantadas em 2019. Então, trouxemos reforços para a nossa equipe, aumentamos o portfólio de parceiros, fizemos cursos de capacitação e mergulhamos de cabeça no marketing de conservação.  

 

POR DENTRO DA GREENBOND 

Conheça o perfil de cada colaborador que faz da GreenBond uma empresa tão promissora: 

 

Nome: Diego Arruda 

Profissão: Veterinário 

Ponto forte: O céu é o limite

O Diego é formado em medicina veterinária, mas além do amor pelos bichos, também tem alma de vendedor. Hoje, é especialista em marketing digital, formado pela ESPM, e conseguiu unir suas duas paixões em um único propósito: marketing de conservação. 

Munido de criatividade, pensamentos extremamente estratégicos e bastante conhecimento sobre a fauna, ele é um dos fundadores da GreenBond e peça chave em todas as operações realizadas pela empresa. O sangue do #Bond corre em suas veias e, se depender de seus planos, só o céu é o limite. 

________________________________________________________________________________

Nome: Gustavo Figueirôa

Profissão: Biólogo 

Ponto forte: Mega versátil 

O Gustavo é biólogo conservacionista, sempre viveu no meio dos bichos e cultiva um grande amor pelo universo selvagem. Trabalhou como biólogo de campo durante muito tempo, mas com o passar dos anos, também se descobriu fotógrafo de natureza, editor de vídeos, redator e um grande comunicador. 

Sua extensa bagagem de campo, conhecimento sobre a fauna e comprometimento com as atividades de comunicação fazem dele uma carta coringa, ou seja, é possível confiar em sua capacidade para realizar qualquer tarefa da GreenBond. Também é um dos fundadores da empresa e tem o DNA do #Bond em sua essência. 

________________________________________________________________________________

Nome: Letícia Amado 

Profissão: Publicitária 

Ponto forte: Criativa como ninguém 

Ao contrário dos meninos, a Letícia começou sua carreira pelo marketing e descobriu só depois a paixão por animais selvagens e conservação. Especialista em marketing digital, também pela ESPM, ela trouxe para a GreenBond sua experiência como redatora em agências de publicidade e veículos de comunicação. 

O gosto por livros, filmes, séries, peças de teatro e qualquer outra forma de entretenimento lhe concedeu um belo repertório, tornando sua criatividade bem afiada! Juntando a habilidade para escrita, com duas fontes de conhecimento muito ricas (Diego e Gustavo), ela torna a GreenBond capaz de produzir conteúdos autorais de muita qualidade. 

________________________________________________________________________________

Nome: Raphael Parmezani 

Profissão: Publicitário 

Ponto forte: Comprometido – missão dada é missão cumprida 

Raphael é publicitário, também especialista em marketing digital pela ESPM. Integrante mais recente da GreenBond, ele começa agora em 2020 e traz consigo um português impecável (quase um dicionário humano), além da ampla experiência com redes sociais de um grande banco nacional. 

O comprometimento com suas tarefas é, de longe, o ponto mais forte. Dedicado, estudioso e muito organizado, foi uma contratação certeira para nós. Seja bem-vindo ao nosso #Bond, Rapha! 

 

PARCEIROS DE PESO

A nossa equipe é, com toda a certeza, parte muito importante do trabalho. Mas sem os parceiros, não seríamos a mesma GreenBond.

Hoje, temos o prazer de trabalhar com Onçafari, SOS Pantanal, Biofaces e Mamirauá. Acreditamos no potencial de cada um na conservação do meio ambiente. Por isso, damos o nosso melhor para fortalecer e aumentar ainda mais esse impacto! 

Para 2020, tivemos a honra de agregar um novo parceiro: Documenta Pantanal. A iniciativa consiste em um conjunto de ações e projetos coordenados, com o intuito de: documentar; tornar conhecida a beleza e o valor natural da região do pantanal brasileiro; além de promover o diálogo entre as forças produtivas, academia, instituições/organizações na busca de soluções implementáveis de consenso.

Foto: Luciano Candisani/Documenta Pantanal

 

Usaremos todo o nosso conhecimento em biodiversidade pantaneira e técnicas de comunicação para dar mais força à iniciativa, tornando seus esforços de conservação do Pantanal ainda mais efetivos! 

 

O que esperar de 2020? Novos desafios, grandes parcerias e uma equipe ainda mais unida. Sabemos que juntos somos mais fortes, por isso buscamos conectar pessoas, tecnologia e natureza. Vem pro nosso #Bond! 😉 

GreenBond: retrospectiva 2019

By | GreenBond | No Comments

O que dizer sobre 2020? Que mal conhecemos e já consideramos pakas, rs. 

Se o próximo ano continuar florindo todas sementes plantadas em 2019, será uma evolução e tanto para a GreenBond. O primeiro ano completo de atuação da empresa foi intenso, produtivo e cheio de bons resultados! Seguros de nossa missão, visão e valores, demos continuidade à parceria com o Onçafari e Biofaces e nos conectamos a novos projetos totalmente alinhados ao nosso objetivo: SOS Pantanal e Mamirauá. As parcerias geraram ótimos frutos. 

No geral, tivemos um crescimento significativo e saudável. Aumentamos o número de parceiros, apoiadores e colaboradores. Participamos de pequenas, médias e grandes ações. Fizemos grandes amigos e aumentamos consideravelmente o alcance da mensagem de conservação! 

Confira os pontos altos do nosso 2019: 

 

MARÇO – REVISTA “O BIÓLOGO”

O Gustavo Figueirôa, que é biólogo e um dos fundadores da GreenBond, apareceu na matéria de capa da revista “O Biólogo” no primeiro trimestre. A revista, idealizada pelo CRBio, reúne conteúdo sobre biólogos que uniram a paixão por fotografia com a vida profissional.

Além de contar sobre a união da profissão com a paixão pela fotografia, ele também comentou sobre a GreenBond e como a visão de empreendedor tem mudado sua perspectiva para o futuro da conservação!

 

ABRIL – CAMPANHA DE CAPTURA DOS LOBOS-GUARÁS NO CERRADO 

O trabalho de assessoria de imprensa da GreenBond para o Onçafari, junto do Terra da Gente, rendeu uma matéria incrível para o site sobre a campanha de captura dos lobos-guarás no Cerrado

Nós acompanhamos os profissionais do Onçafari e do Terra da Gente durante a campanha de captura na Pousada Trijunção. Com a ajuda de toda a equipe e dos equipamentos necessários, nós presenciamos e gravamos a captura de 2 lobos-guarás, apelidados de Vereda e Diadorim. Os biólogos e veterinários realizaram todos os exames para checar a saúde dos animais e colocaram o rádio-colar em um deles, para seguir com o monitoramento. Por meio deste processo, o Onçafari consegue estudar de forma mais fiel os hábitos da espécie e atuar com mais efetividade na conservação dela.

Foto: Gustavo Figueirôa

 

SETEMBRO – I CONGRESSO BRASILEIRO DE VIDA SILVESTRE 

No mês de setembro, nós tivemos a honra de palestrar no I Congresso Brasileiro de Vida Silvestre, que aconteceu em Brasília. 

As estratégias de marketing têm ganhado cada vez mais força e apoio científico na sociedade e no universo da conservação, com o objetivo de promover a conscientização. E, pensando nos profissionais que têm interesse em se aventurar na captação de recursos e querem entender como a comunicação pode ser uma ferramenta poderosa para a conservação, apresentamos as principais tendências de marketing para ser ouvido, em uma sociedade tão competitiva por atenção.

 

SETEMBRO – INÍCIO DOS TRABALHOS COM MAMIRAUÁ

Também em setembro, nós pudemos expandir ainda mais nosso território de luta pelo meio ambiente. Nos juntamos ao maior projeto de conservação da Amazônia: Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá.

 

OUTUBRO – EXPEDIÇÃO PANTANAL 2019 

Em outubro, concretizamos um dos maiores projetos realizados ao lado do nosso parceiro SOS Pantanal: a Expedição Pantanal 2019. 

Foram 25 dias viajando ao lado deles. Acompanhamos a visita aos principais projetos de conservação e pontos de ecoturismo da região,  com o intuito de aproximar laços e auxiliar na promoção do desenvolvimento sustentável do Pantanal. Ao todo, foram mais de 5.000 km percorridos por terra, mais de 600 km percorridos por rios, 11 municípios, 20 empreendimentos ecoturísticos e 11 projetos de conservação visitados!

Para saber com mais detalhes, acompanhe o blog do SOS Pantanal.

Foto: Instituto SOS Pantanal

 

NOVEMBRO – WORKSHOP WAITA 

Em novembro, marcamos presença no I Workshop de Reabilitação, Monitoramento e Conservação da Fauna Silvestre em Belo Horizonte, Minas Gerais. O evento foi organizado pela Waita, uma organização que trabalha com o resgate e reabilitação de animais silvestres.

No dia 22, palestramos em nome do nosso parceiro Onçafari. Apresentamos o trabalho da associação com a reintrodução de onças-pintadas na natureza, abordando a importância deste processo para a recuperação de populações de animais em risco de extinção.

No dia 23, palestramos como GreenBond, expondo nosso trabalho de captação de recursos, patrocínios e soluções em comunicação para projetos de conservação ambiental.

 

NOVEMBRO – INNOVATION TECH DAY 

Também em novembro, o nosso veterinário e especialista em Marketing Digital, Diego Arruda, participou do Innovation & Tech Day, no Cubo – Itaú!

O evento franco brasileiro reuniu startups e empresas do Brasil e da França, investidores e especialistas, para discutir assuntos que estão em alta no universo tecnológico, como: reinvenção, inovação, inteligência artificial, impacto social, etc.

Diego integrou o painel III – Tech for Good: Transformação e Impacto Social Positivo Através de Tecnologia com Propósito, levando ao público insights sobre pessoas, projetos e organizações que promovem a tecnologia para melhorias sociais, ambientais e econômicas, como faz a GreenBond.

 

NOVEMBRO – JAGUAR PARADE BRASIL 

Para fechar o mês de novembro com chave de ouro, comparecemos no leilão beneficente da Jaguar Parade Brasil. O evento, realizado estrategicamente no Dia Internacional da Onça-pintada, finalizou com categoria o fenômeno artístico que foi um grande sucesso!

A união entre arte urbana e conservação foi brilhante, promovendo a mensagem de proteção da onça-pintada e o mais importante: captando recursos para as instituições Onçafari, SOS Pantanal, Ampara Animal e Panthera Brasil.

Foto: Jaguar Parade Brasil

 

Em nosso blog, você pode conferir o importante papel da GreenBond durante todo o movimento

 

ALGUNS RESULTADOS EXPRESSIVOS DE NOSSOS PARCEIROS

 

Olhando para trás, temos muito orgulho do que construímos em 2019. A retrospectiva foi bem positiva, com bons resultados, grandes parcerias fechadas e muitas amizades formadas. Porém, sabemos que esse é só o começo e ainda há muito trabalho a ser feito. Pode vir, 2020! Estamos preparados e cheios de planos para você! 

Humanização: conheça as principais tendências de marketing para 2020

By | GreenBond, Marketing na Conservação, Projetos de conservação | No Comments

No contexto de um mercado extremamente saturado, com bombardeio de informações por todos os lados, a inovação no marketing deixa de ser um “plus” para tornar-se uma necessidade. Ou você se reinventa na hora de passar sua mensagem, ou ela ficará esquecida entre as outras milhares. 

Em 2020, acreditamos que o principal passo para a inovação deve ser dado em outra direção: para trás. Antes de pensar de forma desenfreada no uso de tecnologias, estratégias de venda e lucro abundante, pense em pessoas. Pense no mundo em que vive, nas necessidades sociais e ambientais presentes em todos os processos. Essa é a verdadeira inovação para o futuro. 

Felizmente, a GreenBond não está sozinha neste pensamento. A primeira pesquisa Global Marketing Trends 2020 da Delloite revelou dados importantes sobre a expectativa dos consumidores no próximo ano.

Conexão humana, esse é o ponto-chave. De acordo com a pesquisa, muitas empresas ainda colocam energia apenas em novas tecnologias e esquecem o lado humano. 

As novas tendências de marketing vêm para mudar essa realidade:  

 

1- Propósito – por que a sua empresa existe?

Não é de hoje que a GreenBond vem batendo nessa tecla. Nós atuamos com propósito desde o primeiro dia de existência da empresa e, por pensar dessa forma, só nos conectamos a parceiros que também tenham o mesmo propósito: conservação da biodiversidade. 

Aparentemente, essa não é uma necessidade só nossa, mas do mercado como um todo. Os consumidores estão em busca de transparência – fato também revelado na Pesquisa Carreira dos Sonhos 2019 – realizada pela Companhia de Talentos. Eles querem saber qual é o objetivo da empresa, o que, de fato, ela veio solucionar, como ela contribui com a sociedade e onde ela quer chegar. 

No caso dos projetos de conservação, é importante deixar clara a missão do projeto. Qual é seu objetivo? Por quê sua atuação naquele ambiente se faz necessária? De que forma o projeto contribui para o meio ambiente e/ou para a sociedade? Todas essas perguntas devem ser respondidas em sua comunicação e, claro, estar alinhadas ao DNA da organização. 

 

2- Experiência humana – conexões que vão além do digital

O estudo da Deloitte também alerta sobre a evolução da tecnologia, como a aparição dos chatbots, que ensinam o público a ser cada vez mais exigente. Essas mesmas interações tecnológicas acabam inibindo as interações humanas, construindo comportamentos isolados e automatizados.

Dessa forma, a experiência humana se torna ausente, gerando um déficit de conexão a longo prazo. Ou seja, a tecnologia manterá sua empresa ativa, porém, depender apenas dela pode afetar a fidelização dos clientes.

Os projetos de conservação ambiental têm o campo como grande aliado. A experiência em campo, como ecoturismo, por exemplo, oferece experiências humanas únicas. Além de aproximar as pessoas, causa um impacto positivo muito grande e torna o objetivo de educação ambiental mais efetivo. 

O relatório também convida os profissionais a investirem na empatia e na inclusão como valores essenciais para a humanização das marcas e criação de conexão com os consumidores. 

 

3- Confiança – você sabe construí-la?

Relações mais humanas exigem transparência e honestidade. O relatório da Delloite também reafirma essa necessidade. 

De acordo com o estudo, o público espera honestidade, coesão e políticas transparentes das corporações. E na era digital, agora os consumidores também exigem segurança no que diz respeito aos seus dados e informações movimentadas na internet. 

Conforme citado anteriormente, os projetos devem entregar, de forma honesta e transparente, o destino dos recursos captados. As pessoas querem saber como a doação delas está sendo utilizada, de que forma elas estão contribuindo para a melhora do meio ambiente e da sociedade. 

 

4- Pertencimento – participação de pessoas nos processos

Segundo o relatório, as pessoas querem se sentir parte da empresa com as quais se relacionam. Por isso, a sugestão para 2020 é que as marcas invistam em trazer o público final para mais perto de decisões e ações da organização. 

O mesmo vale para o ambiente profissional. Líderes e gestores devem incentivar suas equipes a participarem mais das ações internas, descentralizando o poder e ampliando a rede de opiniões e sugestões para as equipes.

Pensando nisso, dependendo da forma de atuação dos projetos de conservação, é possível incluir voluntários e parceiros nas ações. Trazê-los para perto e torná-los parte dos planos de mudança pode ser uma ideia muito interessante para a organização. 

 

5- Valorização – foco nos talentos

Por fim, o relatório também convida as organizações a olharem com mais “carinho” para seus talentos. Líderes e gestores devem focar, estimular, reconhecer e valorizar os talentos sob seus comandos, ajudando no desenvolvimento deles. 

Mas, muito além do escritório fechado, a valorização de talentos também deve ser ampliada para o lado de fora. O estudo propõe que as organizações também valorizem seus embaixadores – influenciadores, fãs e clientes fiéis – criando conexões mais profundas e ajudando na evolução de cada um. 

 

DIANTE DESTE CENÁRIO, COMO FICA O DIGITAL? 

 

O foco em pessoas não significa a anulação do marketing digital, de forma alguma. Nós acreditamos no potencial do online para ampliar o alcance da mensagem, propagar sua ideia e seu propósito com maior efetividade.

O marketing pode ser digital e humanizado ao mesmo tempo. É possível usar inovações tecnológicas a favor das conexões humanas. O ponto é justamente esse: não podemos pensar em uma coisa separada da outra. Não devemos olhar apenas para a tecnologia e esquecer que ela faz parte da vida das pessoas. Ou seja, quem as controla são pessoas. Que devem ser olhadas e tratadas como tal. 

Por isso, devemos continuar inovando tecnologicamente. Podemos continuar propondo e apostando em estratégias de mídias digitais – redes sociais, blog, site, e-mkt, Google, etc. Continuar apostando em inteligência artificial, chatbots, busca por voz e automatizações no geral. Mas, antes de qualquer uma dessas propostas, lembre-se da sua missão, do seu propósito e das pessoas envolvidas em cada um dos processos. 

Dê um passo para trás. Confirme – ou reafirme – a honestidade, transparência, coerência e compromisso da organização com necessidades sociais, ambientais e econômicas. Esse é o insight de ouro para 2020.