All Posts By

Gustavo Figueirôa

Aprovada a PROIBIÇÃO da caça comercial de baleias, mas caça científica continua permitida

By | Não categorizado | One Comment

Na manhã desta quinta-feira (13/09) foi aprovada por grande maioria (67%) a Declaração de Florianópolis, que mantêm e reafirma o banimento da caça comercial de baleias em águas internacionais.

Turistas observando baleias na costa brasileira

O documento proposto pelo Brasil, reafirma a moratória vigente desde 1986, que proíbe a caça comercial de baleias e permite apenas a caça para fins científicos e a caça de subsistência praticada por aborígenes em comunidades tradicionais em regiões específicas.

Já na manhã desta sexta-feira (14/09), foi votada a proposta de liberar a caça comercial de baleias, feita pelo Japão.

Após todos os países se pronunciarem, por um placar de 41 x 27 o projeto Japonês foi negado, garantindo que a caça predatória para fins comerciais continue banida!

 

A Declaração de Florianópolis

A aprovação da Declaração de Florianópolis é um marco importantíssimo para a conservação destes mamíferos. O documento reafirma a posição do Brasil a favor da conservação das baleias e faz duras críticas à caça comercial e científica, afirmando que:

“caça comercial não é mais uma atividade econômica necessária”

“caça com fins científicos não é mais uma alternativa válida para responder às questões científicas dada a existência de abundantes métodos de pesquisa não letais”.

Baleia jubarte avistada em águas brasileiras

O documento também propõem que os recursos da Comissão Internacional das Baleias (CIB) sejam destinados exclusivamente para conservação, e não mais para a caça.

 

O outro lado da moeda

Apesar do resultado positivo conquistado neste quinta-feira, outras duas decisões tomadas pela CIB esta semana geraram polêmica e não vão de encontro ao objetivo conservacionista.

Na quarta-feira (12/09), foi rejeitada a proposta de criação do Santuário de Baleias do Atlântico Sul.

Também na quarta-feira, a comissão aprovou a caça de 1.000 baleias para fins de subsistência em países como países como Estados Unidos, Rússia, Dinamarca (Groenlândia) e St. Vincent & Grenadines.

Baleia morta pelo principal navio baleeiro japonês, Yushin Maru

 

Os resultados da preservação

A trégua dos arpões tem trazido resultados muito positivos para a conservação das baleias. No Brasil, populações de baleias como a Jubarte e a Franca vem crescendo todos os anos.

Família de baleias-jubarte

Nesta temporada, 284 baleias franca foram vistas no litoral de Santa Catarina, batendo um recorde de avistamentos desde que a contagem começou a 31 anos atrás. Um recorde curioso que foi batido bem na época em que a Comissão Internacional de Baleias se reúne no litoral catarinense.

Família de baleias franca avistadas no litoral catarinense

Segundo a bióloga do instituto Australia, Karina Groch, a taxa média de crescimento anual da população de baleias é de 12% e isso está diretamente relacionado ao trabalho de preservação que é realizado há vários anos.

 

_________________________________

 

Por:

Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em manejo e conservação da fauna silvestre

Cofundador na GreenBond

Criação do “Santuário de Baleias” é rejeitada e liberação da caça comercial entra em votação

By | Conservação, Notícias | 5 Comments

O Brasil está sendo o palco do encontro da Comissão Internacional das Baleias (CBI), uma organização internacional que tem como objetivo discutir temas relacionados à preservação das baleias do mundo, assim como atividades relacionadas à utilização comercial e científica destes mamíferos marinhos. O evento ocorre até sexta-feira (14/09) na ilha de Florianópolis.

Ativistas fazem protesto em frente ao local da reunião da IWC pedindo a criação do santuário – SEBASTIAN ROCANDIO / REUTERS

O Santuário de Baleias 

Porém, nesta terça-feira (11/09), a proposta de criação de um Santuário de Baleias no Atlântico Sul foi rejeitada durante votação na plenária da comissão. O santuário proposto abrange uma área de mais de 20 milhões de km² do Atlântico Sul, começando logo abaixo da linha do Equador e seguindo por todo o oceano entre as costas do Brasil, Argentina, Uruguai, e Países Africanos como Gabão, Namíbia, Angola e África do Sul.

Esquema do santuário proposto. Fonte: G1

A proposta, apesar de ter maioria a favor, precisa de mais de 75% dos votos da comissão para ser aprovada, e conseguiu apenas 61% dos votos.

O santuário tem como objetivo proteger espécies ameaçadas de baleias que vivem na Bacia Oceânica do Atlântico Sul, caso a pesca comercial seja liberada. Além disso, a iniciativa propõem a criação de uma zona de cooperação e pesquisa entre os países da América do Sul e Africa.

 

Baleia-franca com filhote

Liberação da caça comercial das baleias

Amanha, quinta-feira (13/09), está prevista a votação da proposta que libera a caça de baleias para fins “científicos” e comerciais.

Navio baleeiro japonês com 3 baleias abatidas em seu deck

O Japão é o autor dessa proposta, apoiado pelos governos da Noruega, Islândia e Russia além de outros países. A ideia é liberar a caça que é proibida ha vários anos, no Brasil, desde 1986. Porém, apesar da proibição, o Japão se utiliza de um artigo da comissão que permite a caça de baleias apenas para fins científicos, levando ao abate de mais de 1.000 baleias todos os anos entre o Pacífico e a Antártida. A carne das baleias abatidas é vendida para o consumo.

Baleias sendo arrastadas para dentro do navio baleeiro, com a bandeira de “navio de estudos científicos”

Caso a proposta seja aprovada a captura comercial de baleias seja liberada, os caçadores poderão capturar baleias que se reproduzam próximas ao litoral brasileiro, como a Baleia Franca em Santa Catarina, e a Jubarte na Bahia.

Baleia abatida por navio baleeiro. Fonte: Greenpeace

O Brasil e sua importância na proteção das baleias

A costa Brasileira é considerada um santuário para a reprodução de diversas espécies de baleias.

Na costa catarinense, a cidade de Imbituba é considerada a capital nacional da Baleia Franca, atraindo milhares de turistas todos os anos para o turismo de observação deste incríveis animais marinhos.

 

Turistas observando baleias na costa brasileira

O representante do Instituto Baleia Jubarte, José Truda, ressalta que atualmente a região brasileira tem grande quantidade de baleias em recuperação, como as Baleias Francas em Santa Catarina e as baleias jubarte no Espírito Santo e Bahia.

Turista fotografando baleia jubarte

Ele ressalta ainda que a costa brasileira é uma das regiões do mundo em que a recuperação da população baleeira está ocorrendo da maneira mais expressiva.

 

A votação ocorre esta semana, e cabe a nós nos posicionarmos contra esse retrocesso na evolução da história da civilização.

O SeaLegacy está com uma campanha em aberto para coletar assinaturas das pessoas que são contra a liberação: Clique aqui e assine você também

 

 

Por: Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em Manejo e Conservação da Fauna Silvestre

Cofundador na GreenBond

Educação ambiental dos novos tempos: Geração Z e o Aquário digital

By | Educação ambiental | No Comments

Gen Z,  iGeneration, Plurais ou Centennials é a definição sociológica para definir a geração de pessoas nascidas no fim da década de 1990 até 2010, ou simplesmente Geração Z.

Esta geração é a que sucede a dos Millennials (ou Geração Y), ou seja, os nascidos entre meados dos anos 1980 e meados dos 1990. Diferente dos Y, que passaram pelo processo de transição para o mundo digital, esta nova leva de cidadãos já nasceu imersa em tecnologia. A grande maioria dos “Z” desde pequenos já sabem zapear, tendo várias opções, entre canais de televisão, internet, vídeo game e smartphones. Já aprendem desde de cedo o que é uma “tela touch” ou uma “internet super rápida”.

Essa geração, está desafiando empresas e marcas, que ainda estão tentando se enquadrar nas necessidades dos millennials, a oferecer produtos e conteúdos que vão além da comodidade. Muito mais do que apenas um produto, os “Z” buscam por PROPÓSITO, ou seja, um compromisso com o impacto socioambiental.

 

Tecnologia aliada à educação ambiental: Oceano Digital

É nessa sobreposição de produtos inovadores, tecnologia do mundo digital e propósito socioambiental que se encaixa a mais nova promessa de entretenimento digital: Uma Odisseia no Oceano.

A experiência recria um aquário sem peixes! Sim, isso mesmo que você leu, um aquário totalmente digital, que recria ambientes marinhos desde o Pacífico Sul até a costa da California. O próprio site da atração explica:

Usamos tecnologia digital imersiva e de última geração para permitir que os visitantes vejam de perto algumas das maiores e mais interessantes criaturas do oceano, em tamanhos realistas e com detalhes científicos exatos

A Ocean Odyssey foi idealizada pelo príncipe Khaled Bin Alwaleed (Filho de um dos homens mais ricos do Oriente Médio), em parceria com a National Geographic com o objetivo de levar a educação ambiental a um outro nível tecnológico.

O projeto conta com especialistas em efeitos especiais premiados pelo GRAMMY® e Emmy®, assim como a equipe responsável pelos efeitos visuais do seriado Game of Thrones, tudo para produzir a melhor e mais fantástica experiência da imersão e interação com o mundo marinho.

Hall de exploração da atração

Através de tecnologia de ponta e uma fantástica animação foto-realista, os visitantes são transportados para destinos subaquáticos extraordinários e ganham acesso a momentos raramente testemunhados na natureza.

“entretenimento com propósito” é uma forma poderosa de se conectar com essa faixa etária.

Fim dos Zoológicos e Aquários?

Apesar da ideia de trazer o mundo natural para o digital ser uma ótima alternativa para a educação e conscientização ambiental, é importante ressaltar que isso não substitui o papel dos zoológicos.

Zoológicos e Aquários sérios, são importantes ferramentas para a conservação e tem seu papel crucial nos estudos para reverter o cenário atual de destruição e extinção de espécies.

 

 

Propósito acima de tudo

Seja no mundo digital ou através de zoológicos que levam a sério seus papéis como ferramentas para conservação, a única certeza é que a geração Z está ávida por “entretenimento com propósito”. Não basta apenas ser divertido ou atrativo, é preciso ter um ideal real e uma função socioambiental por trás. Isso sim pode ser uma forma poderosa de se conectar com essa faixa etária que é literalmente o futuro do planeta.

E você, ainda têm dúvidas em como incorporar propósito à sua marca?

Deixe seus comentários e vamos bater um papo.

 

 

Por: Diego Rugno Arruda

Médico Veterinário, Especialista em marketing digital

Cofundador da GreenBond

 

Revisão e edição: Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em Manejo e Conservação da Fauna Silvestre

Cofundador da GreenBond

Safári no Brasil: Uma alternativa para a conservação

By | Conservação | 4 Comments

Safári, é o termo usado para nomear expedições por terra em lugares selvagens, tipicamente viagens de caça ou turismo pela África. 

Muita gente já ouviu falar sobre os famosos safáris na África, e ao mencionar este termo quase sempre vem à mente uma cena clássica: Turistas vestidos com roupas “à la” Indiana Jones, sentados na caçamba de um daqueles altos caminhões de safári, enquanto cortam a savana africana avistando e fotografando leões, rinocerontes, elefantes, búfalos e leopardos.

Antigamente eram muito mais comuns os safáris de caça, porém de algumas décadas pra cá, o cenário mudou e os safáris para turismo de observação de animais aumentaram muito!

Pessoas vestidas “à la” Indiana Jones em meio a um safári na África do Sul

Para alguns, apenas um sonho distante de ser atingido, seja por falta de dinheiro, por falta de conhecimento ou até mesmo por acreditar que é muito perigoso se aventurar em terras africanas. Para outros, uma experiência que está na lista de “coisas para fazer antes de morrer”.

Guepardo avistado por turistas durante Safári

 

Porém o que poucos sabem, é que safáris também podem ser feitos aqui no Brasil, mais perto do que se imagina… E não, não estou falando do Zoo Safári do Zoológico de São Paulo (antigo Simba Safári), mas sim de uma verdadeira expedição meio a um ambiente selvagem, para avistar animais selvagens em seu habitat natural.

 

Safáris no Pantanal:

 

No Pantanal, fazendas que mesclam a pecuária com o ecoturismo, encontraram uma oportunidade única para fazer da conservação de espécies ameaçadas e áreas protegidas, uma fonte de renda importante. Às vezes por conta própria, as vezes em parceria com projetos de conservação da biodiversidade.

Pantanal alagado no Refúgio Ecológico Caiman. Foto: Leonardo Sartorello

 

Refúgio Ecológico Caiman/Onçafari:

Um exemplo de parceria com projetos de conservação, é o que acontece entre o Refúgio Ecológico Caiman e o Onçafari.

Turistas avistando Onça-pintada no Refúgio Ecológico Caiman através do Onçafari.

 

O Onçafari é uma iniciativa privada, sem fins lucrativos, que através da habituação de onças-pintadas tornou muito mais fácil a visualização destes felinos que até pouco tempo atrás eram praticamente fantasmas nas florestas.

Onça-pintada avistada pelo Onçafari. Foto: Adam Bannister

 

A habituação nada mais é do que acostumar animais à presença dos veículos de safári, através de técnicas bem estruturadas, onde o animal começa a perceber o carro com os turistas como se fosse uma árvore e sabe que não lhe causará mal nenhum. Portanto, continuam agindo normalmente como se os turistas e pesquisadores não estivessem lá! Lembrando que habituação é diferente de domesticação! As onças continuam 100% selvagens e o avistamento só pode ser feito de dentro do carro, seguindo normas de segurança rígidas.

Fera, uma das Onças monitoradas pelo Onçafari sendo avistada. Foto: Carlos Eduardo Fragoso

O Refúgio Ecológico Caiman é uma fazenda na zona rural de Miranda, MS, e recebe hóspedes que vão em busca de conexão com a natureza e férias em um lugar genuinamente selvagem. Assim, a parceria com o Onçafari, causou um aumento significativo no aumento de avistamentos de onças, consequentemente um aumento expressivo no número de hóspedes.

Fazenda San Francisco

 

Um outro exemplo, é a Fazenda San Francisco, também localizada em Miranda, MS.

 

Ao mesmo tempo que possuem lavouras de arroz e criação de gado, a fazenda é conhecida mesmo pela pousada e por passeios turísticos que remetem aos visitantes um verdadeiro estilo de vida pantaneiro.

Safári fotográfico na Fazenda San Francisco

A fazenda aceita hóspedes do mundo todo, tanto para passarem a noite, quanto para apenas passarem o dia em suas dependências. Durante o dia, safáris fotográficos levam os visitantes para o meio das planícies alagadas da fazenda para o avistamento da mais rica fauna que o Pantanal pode oferecer: Jacarés, ariranhas, jaguatiricas, sucuris, tuiuiús, araras (uma infinidade de espécies de aves), além de é claro, a rainha das matas, a Onça-pintada.

Onça-pintada avistada na fazenda San Francisco.     Foto: Gustavo Figueirôa

Passeios de chalana em um braço do Rio Miranda, passeios à cavalo, trilhas… enfim, uma infinidade de opções para quem quer uma aventura real no Pantanal. Porém é de noite que as chances são maiores de ver os grandes felinos!

Passeio de chalana por um braço do Rio Miranda

Para os hóspedes que escolhem a pernoite, um safári noturno acontece, onde as chances de ver animais com hábitos noturnos aumenta, como corujas, urutaus, jaguatiricas e onças-pintadas.

Ecoturismo como chave para conservação

 

Esta atividade gera um valor real para as áreas onde estão inseridas, tanto social quanto financeiro. O ecoturismo gera empregos para as comunidades locais, atrai turistas para conhecer as belezas de nosso país e além de tudo, ajuda a preservar áreas de mata e espécies ameaçadas de extinção!

Imagem retirada da internet

 

Para finalizar, é importante ressaltar que o ecoturismo para dar certo como ferramenta de conservação, deve ser feito com muita responsabilidade, respeitando sempre os limites impostos pela natureza.

Já pensou em fazer um safári? Que tal começar pelo Brasil?

 

 

 

Por: Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em Manejo e Conservação da Fauna Silvestre

Cofundador na GreenBond

Caça e Fotografia: A mesma essência, objetivos opostos

By | Conservação | One Comment

Imaginem esta cena:

No meio da floresta em um ambiente selvagem, o sujeito espera pacientemente pelo tão sonhado momento, sentado na caçamba de um carro ou numa plataforma em meio às árvores. Silêncio total, nenhum movimento brusco, apenas o som da própria respiração alternando entre ofegante e controlada apesar da adrenalina aumentar a cada segundo enquanto o animal se aproxima.

É chegado o momento, enfim a criatura silvestre se aproxima.  Espreitando o animal, o sujeito se prepara com seu equipamento municiado. Com o animal posicionado na mira, o dedo vai ao gatilho lentamente, esperando o momento perfeito. Tudo pronto, hora de agir. O dedo pressiona o gatilho e então….  Click! 

 

 

Ué?!

Esta pequena narrativa acima poderia muito bem ser a descrição de um caçador munido de seu rifle, esperando para matar um animal muito cobiçado e levar sua carcaça para casa, assim como também se encaixa perfeitamente na descrição de um fotógrafo amante da natureza, munido de sua super câmera com lente telescópica, fotografando um animal que ele sonhava a anos registrar.

O conceito de ambos os cenários é o mesmo e o repórter do jornal El País, Victor Moriyama, nomeia este elemento em comum entre as 2 atividades de “espírito caçador”. Ou seja, adentrar à mata em busca de um animal específico, seja raro ou não, colocando o homem urbano em contato com a natureza a partir da mira de uma máquina, seja uma câmera fotográfica ou um rifle.

 

Foto 1: Melissa ao lado da caça                     Foto 2: Leão livre por Tamara Jim

A diferença é que em uma das opções o sujeito sai com a cabeça do animal que será empalhada e pendurada na parede de sua casa, enquanto em outra,  ele sai com um belo registro fotográfico que pode ser mostrado para pessoas do mundo todo e inspirá-las a conservar espécies ameaçadas.

Assim como na foto ao lado, onde na esquerda a apresentadora de TV americana Melissa Bachman posa ao lado de seu “troféu”, enquanto na direita, o troféu é a maravilhosa foto tirada por Tamara Jim, do maior predador da África, vivo.

 

 

Caça esportiva para conservação

 

A “caça esportiva” é utilizada em alguns países (como África do Sul, Zimbábue, Estados Unidos) como uma fonte alternativa de renda para a conservação, onde de uma forma legalizada e controlada por autoridades governamentais, caçadores pagam grandes quantias de dinheiro para caçar legalmente um animal (Diferente da caça furtiva ou seja, ilegal). Parte deste dinheiro vai para as comunidades locais e financiam ações para a conservação de espécies. Porém, este conceito é ainda muito controverso, e diversos estudos apontam que essa prática pode não estar ajudando na conservação quanto deveria.

Caçador posa ao lado de elefante recém-abatido

O argumento utilizado pelos defensores da caça como instrumento de conservação é de que fazendeiros podem manter grandes áreas de floresta preservadas, e não cederem ao desmatamento para agricultura, se receberem dinheiro por animais mortos por caça esportiva em sua propriedade.

 

Não entrarei no mérito de efetividade ou não desta prática neste post, pois isso demanda uma discussão mais aprofundada. Como foi citado acima, existem estudos pró-caça, mostrando dados positivos em relação ao dinheiro que a caça esportiva gera, assim como estudos mostrando dados e impactos negativos.

 

 

O objetivo deste post é comparar uma prática alternativa, assim como coloco a seguir mostrando o que a fotografia pode fazer pela conservação.

 

 

 

 

Fotografia e ecoturismo para conservação

 

Como citado acima, o argumento de atribuir um valor comercial à espécies silvestres a fim de convencer um fazendeiro preservar suas terras, pode ser aplicado igualmente ao ecoturismo.

Safári fotográfico no Pantanal – Fazenda San Francisco

E se ao invés de receber dinheiro de caçadores para sustentar-se, esse dinheiro viesse de fotógrafos e turistas do mundo todo que vão atrás de fotos incríveis de espécies ameaçadas?

Um exemplo prático de que pode dar certo, é o que vem sendo realizado no Refúgio Ecológico Caiman, em Miranda – MS, Pantanal Sul pelo Onçafari.

Onças-pintadas avistadas pela equipe do Onçafari. Foto: Gustavo Figueirôa

O projeto trabalha com a conservação e habituação de onças-pintadas para que possam ser avistadas mais facilmente por hóspedes e amantes da fotografia no mundo todo, aumentando drasticamente o fluxo de hóspedes na pousada. Desde que o Onçafari iniciou seus trabalhos na fazenda, o número de hóspedes cresceu 80%, assim como os avistamentos de onça-pintada, que cresceu 120% nos último 7 anos.

 

Foto: Adriano Gambarini

Um estudo realizado pelo biólogo e pesquisador Fernando Tortato, da ONG Panthera (Organização internacional que estuda grandes felinos no mundo todo), comprovou cientificamente os benefícios do ecoturismo.

 

O estudo concluído em 2017 aponta que em um intervalo de 1 ano, cerca de 6,8 milhões de dólares foram arrecadados através do turismo de observação de Onças, contra a perda hipotética de 120 mil dólares para o prejuízo que as onças causam por atacar animais de criação.

 

 

Atualmente, existem sites dedicados exclusivamente à fotografia de natureza, como o Biofaces. O site reúne fotógrafos profissionais e amadores, de todas as idades, gêneros, etnias e países, todos com ao menos duas características em comum: O amor pela natureza e fotografia.

Print da tela do site Biofaces.com

Conclusão

 

Da mesma forma que a caça pode gerar renda para ser investida em conservação, também podem a fotografia e o ecoturismo, de uma maneira muito mais limpa e menos egoísta.

O assunto é complexo, diversos pontos cabem dentro da discussão. Porém, o que é claro e indiscutível é o fato de que matar um animal por puro prazer não pode ser considerado um esporte e não cabe no perfil de uma população supostamente evoluída do século XXI.

Para finalizar, quero induzir à uma reflexão interessante.

Em um trecho retirado do livro do Comandante H. Pereira da Cunha, um conhecido caçador da época de 1950, o próprio autor e caçador cita:

O prazer da caça não consiste, de modo algum, apenas em matar os animais. Realmente, a morte do animal, seja ele pacífico ou agressivo,é a última das coisas que importa e talvez sem ela fosse a caçada ainda mais interessante”.

Livro caçando em África e olhando o mundo – Comandante H. Pereira da Cunha

 

Pois bem…. Se o prazer consiste na busca, na adrenalina de andar pela mata para encontrar o animal, porque não então trocar o covarde e frio rifle por uma bela e imponente câmera fotográfica?

 

 

 

 

 

Por: Gustavo Figueirôa

Biólogo, Esp. em Manejo e Conservação da Fauna Silvestre

Cofundador da GreenBond